<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, fevereiro 15, 2010

Lentamente vai espalhando magia...

A Governadora do Alaska e candidata a Vice-Presidente dos EUA, em 2008, Sarah Palin, anda em acções de promoção de imagem por todo o país. Depois do lançamento do seu livro, "Going Rogue" - que lhe valeu várias sessões de autógrafos junto de um público norte-americano disposto a esperar horas em filas só para contactar alguns segundos com a Governadora -, Palin tem aparecido em vários eventos públicos onde vai marcando o seu território. Ontem esteve nas provas de Nascar 500, competição bastante popular nos EUA, que a republicana e teve a oportunidade de discursar, sempre com a política à mistura, concentrando em si as atenções do evento desportivo e continuando a sua missão de evangelização, levando a paz, o conforto e a solução ao eleitorado norte-americano.
2012 aproxima-se, e, na eventualidade de Barack Obama continuar a cair nas sondagens, se os republicanos não enfrentarem fortes rupturas a nível interno, aumentam as probabilidades da hockey mom do Alaska se tornar na primeira mulher Presidente dos Estados Unidos da América. Lentamente, Palin vai espalhando magia...

terça-feira, fevereiro 02, 2010

Rosa Lobato Faria: perdeu-se um grande talento

Faleceu hoje, aos 77 anos, Rosa Lobato Faria (RLF). Perdemos um grande talento, e quando assim é, a perda é sempre intempestiva. Não era apreciador da obra de RLF. Nunca comprei nenhuma obra dela e não será agora que o farei como os habituais membros dos clubes de fãs póstumos. Nunca me identifiquei com aquilo que RLF escrevia ou dizia. Mas reconheço-lhe o talento que tinha.
Para se reconhecer talento, não é preciso ser-se admirador da obra. Reconheço muito talento a pessoas cujas obras e feitos não me dizem rigorosamente nada. É possível fazê-lo. Dou outro exemplo, o fado: é certo que não é fadista toda e qualquer voz que berra. Aliás, o fado nem sequer é grito, embora exista quem acredita que sim. O único grito que resultou em obra-de-arte foi o de Munch. Eu acho que quem canta e toca fado, tem um talento inquestionável e, insisto, não gosto de fado.
Também reconheço o não talento onde muita gente diz que o há. A "artista" plástica Joana Vasconcelos não tem talento, tem sorte e muita propaganda. Os riscos de Jean Michel Basquiat jamais me convencerão que estamos perante verdadeira arte. Aliás, duvido que seja sequer arte. Por falar em arte, muitos dizem que arte é toda a forma de expressão humana. Assusto-me em saber que uma agressão ou uma manifestação de cólera se poderão enquadrar neste conceito por serem, de facto, uma forma de expressão humana.
Por arte entendo tudo aquilo que é feito pelo artista que mais ninguém consegue igualar. Equiparo a arte à façanha. A arte, para mim, é única, é original, um feito inimaginável até ao momento em que foi concebida. Arte não é meia dúzia de pedras desarranjadas com um pouco de areia por cima, nem uma colcha na Ponte D. Luís. Só um génio na sua área é capaz de conceber arte. A arte está associada ao talento que cada um tem. O que Rosa Lobato Faria tinha era muito talento, muita originalidade e naturalidade. O que fazia era natural e deixo à consciência de cada um a atribuição de RLF na categoria de artista, uma artista que conseguia fazer com as palavras aquilo que mais ninguém conseguia.