<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sábado, agosto 29, 2009

Para reflectir: "Errando no analógico"

"Outro dia, uma amiga pediu licença e tirou o celular da bolsa. Manuseando-o com abismal intimidade, ouviu recados, pagou uma conta no banco, acertou um trabalho em São Paulo, abriu uma foto do namorado, “baixou” uma canção de Sinatra e ligou para casa para dar instruções à criadagem. Tudo isso em minutos, e vindo de uma pessoa que, até anteontem, não sabia nem como clicar o botão de “play” da vitrola.

Diante do meu pasmo por sua atualização tecnológica, ela me disse que usa o celular como computador, internet, câmera, vídeo, cinema, TV, filmadora, MP3, iPod, FM, videogame e, por fim, telefone. E não entende como já foi capaz de viver sem aquele treco que faz tudo, exceto tirar-lhe as cutículas.

Como sou dos três ou quatro no Brasil que não usam celular, até hoje preciso de máquinas específicas, ancoradas em consoles, cômodas ou escrivaninhas, para desfrutar de tais serviços. Algumas dessas máquinas ainda são equipadas com, pode crer, válvulas.

Outro dia, abrindo uma página na internet sem saber para onde ia, deparei com uma frase na tela: “Ruy Castro está no twitter”. Embora estivesse sozinho em casa, olhei em volta para ver se havia mais alguém ali com o meu nome. Não, não estou no twitter. E, sem me gabar ou me envergonhar, também não tenho site, blog, MSN, Facebook, Orkut, MySpace, Last.fm, Ning, Vimeo, Flickr, Tumblr ou rraurl. Estou para a blogosfera como o presidente Lula está para a fenomenologia de Husserl.

Sei bem que, acorrentado ao mundo analógico, posso logo me tornar inviável. Mas pretendo evoluir – sem cometer o recente erro do senador Mercadante. Entusiasta do twitter, ele prometeu algo no mundo digital que não cumpriu no mundo analógico. E deu-se mal, porque, na vida real, o analógico ainda é irreversível."

in Diário da Manhã, por Ruy Castro

domingo, agosto 23, 2009

Uma grande verdade...

"Todos têm terror do silêncio e da solidão e vivem a bombardear-se de telefonemas, mensagens escritas, mails e contactos no Facebook e nas redes sociais da Net, onde se oferecem como amigos a quem nunca viram na vida. Em vez do silêncio, falam sem cessar; em vez de se encontrarem, contactam-se, para não perder tempo; em vez de se descobrirem, expõem-se logo por inteiro: fotografias deles e dos filhos, das férias na neve e das festas de amigos em casa, a biografia das suas vidas, com amores antigos e actuais. E todos são bonitos, jovens, divertidos, "leves", disponíveis, sensíveis e interessantes. E por isso é que vivem esta estranha vida: porque, muito embora julguem poder ter o mundo aos pés, não aguentam nem um dia de solidão."

in "No Teu Deserto", de Miguel Sousa Tavares

quarta-feira, agosto 05, 2009

Há precisamente 16 anos...

... Ronaldo marcou o seu primeiro golo como profissional. Tinha 16 anos e a vítima foi... o Belenenses. Na altura tinha acabado de se transferir para o Cruzeiro de Belo Horizonte e fez um mini-estágio em Portugal. Estreou-se a jogar pelo Cruzeiro contra o Benfica, no Estádio da Luz, mas marcou o seu primeiro golo como profissional ao Belenenses, no Restelo.
Podia ser transferido para o Belenenses nesse mesmo ano, mas era muito novo e o clube do Restelo virou-se para outros nomes mais cotados no mercado. Em 1994, depois de ter sido campeão do Mundo pelo Brasil no Mundial dos EUA, o Benfica teve a oportunidade de o contratar, então com 17 anos, por 150.000.000$00 (750.000 euros). A direcção entendeu que era um investimento muito grande num miúdo que podia revelar-se um "flop". O PSV Eindhoven não entendeu assim e arriscou. Em 45 jogos, marcou 42 golos. Mais uma decisão infeliz de Manuel Damásio...
Seguiu-se a carreira no Barcelona, onde terá feito a sua melhor época de sempre (49 jogos/47 golos). No Inter conheceu a pior fase da carreira, mas ainda foi a tempo de voltar aos seus melhores dias no Real Madrid. Depois de uma passagem fugaz pelo Milan, encontra-se agora no Corinthians a espalhar a sua magia por onde passa.
Ronaldo fazia coisas incríveis com a bola e tive o privilégio de acompanhar toda a sua carreira. Era simplesmente impressionante aquilo que Ronaldo fazia em campo e a forma como sempre deu a volta por cima quando no meio da adversidade. Na minha opinião foi o avançado mais completo dos últimos 20 anos. Fica a tristeza de saber que ainda tem muito para dar em qualquer campeonato europeu e em praticamente qualquer equipa e joga num campeonato de segunda linha como o brasileiro.
Chamam-lhe o "Fenómeno" e não é por acaso. Ele foi mesmo o Fenómeno!

video

sábado, agosto 01, 2009

Há seis anos na blogosfera...

Parece que foi ontem, mas não. Já se passaram seis anos desde que iniciei a minha aventura na blogosfera com a criação do "As Coisas Tal Como São", precisamente este mesmo espaço.
Negligenciei bastante este blog a partir do momento em que me lancei noutros projectos de maior importância, como o Bar Velho Online que já teve quase 200.000 visitas desde a sua criação.
Exactamente hoje celebram-se os meus seis anos de carreira na blogosfera, onde creio que, apesar de não ter sido pioneiro, figuro entre as primeiras dezenas/centenas de portugueses a criar um blog.
Um dos factos que me recordo com mais sentimento é o facto de, quando me iniciei por estas andanças, e dada a escassez de blogs em português, um desses poucos que era recomendado era um tal de "Gato Fedorento", um blog que ainda hoje mantém o template original ultrabásico. Hoje toda a gente sabe quem são estes senhores, mas, se não estou em erro, quando me iniciei por estes blogs, os Gato Fedorento ainda eram apenas dois (RAP e MG), faziam breves sketches na Sic Radical e eram mais conhecidos pelo blog que tinham do que por fazerem comédia televisiva. Eu, por exemplo, confesso que só soube quem eram os Gato Fedorento algum tempo depois de os ler no blog.
São estas recordações que marcam o meu início de vida na blogosfera e me fazem prolongar a vida deste espaço que, garantidamente, não pode morrer.
Parabéns a mim e a este espaço, que somos um marco na história da blogosfera em Portugal!