<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, novembro 30, 2008

Cura à vista?

"Uma equipa de cientistas britânicos desenvolveu um tomate roxo que, segundo defendem, poderá ajudar a prevenir o cancro, divulgou a edição on-line da BBC Brasil. A fruta é rica num pigmento antioxidante chamado antocianina - encontrado também em frutas como amoras -, conhecido por ajudar a desacelerar o crescimento de células cancerígenas. Um equipa do John Innes Centre, em Norwich, na Inglaterra, desenvolveu os tomates roxos ao incorporar genes da planta boca-de-dragão, rica em antocianina. A antocianina foi acumulada nos tomates em níveis mais altos do que os atingidos anteriormente e deu à pele e à polpa da fruta uma cor roxa intensa. O estudo foi publicado na revista científica "Nature Biotechnology". Os pesquisadores realizaram testes com ratos criados para serem susceptíveis ao cancro. Os animais que tiveram a sua dieta complementada com os tomates roxos viveram mais tempo do que os que comeram tomates vermelhos.

«Este é o primeiro exemplo de um organismo geneticamente modificado com um elemento que realmente oferece um benefício potencial a todos os consumidores», disse a investigadora Cathie Martin. O próximo passo será testar os tomates roxos em voluntários humanos. E acrescenta que «a maioria das pessoas não come cinco porções de frutas e legumes por dia, mas beneficiarão mais das porções que comem se frutas e legumes puderem ser cultivados com níveis mais altos de compostos activos», disse Martin. Lara Bennett, da organização Cancer Research UK elogiou a pesquisa, mas disse que é ainda «muito cedo para dizer se a antocianina obtida através da dieta pode realmente reduzir o risco de cancro»."

Fonte: Sapo Saúde

Esperemos que este estudo seja apenas o início da cura para algo pior que SIDA: o câncro.

segunda-feira, novembro 24, 2008

Há 17 anos...

... tive uma das minhas primeiras grandes perdas: Freddie Mercury, um dos meus ídolos da música, faleceu a 24 de Novembro de 1991. Jamais te esquecerei!

sábado, novembro 08, 2008

"Nouvelle Vague" à Lisbonne






Os Nouvelle Vague actuaram esta noite na Praça de Touros do Campo Pequeno, em Lisboa. Depois de cerca de 25 minutos de Melanie Pain (uma das vocalistas do grupo), os Nouvelle Vague subiram ao palco para darem um concerto de 2h20m sempre a "jardar". O Campo Pequeno não lotou, mas andou muito perto disso, porque o recinto estava cheio. Nouvelle Vague contagiaram o público e creio que qualquer um dos que lá esteve ficava mais 2h20m a ver o espectáculo que foi dado pela banda. Entre diversas fases de interacção com o público, chegando a haver mesmo interacção "muito física", a sensualidade e o erotismo foram dois ingredientes que não faltaram às vocalistas, sendo mesmo assim Melanie Pain a única das três que foi mais contida, mas não menos dedicada e afinada.
Nouvelle Vague "arrebentaram", como dizem os brasileiros, e o público deliciado ainda teve direito a dois encores, mas não sem antes os chamarem cantando "love will tear apart". Sinceramente, posso dizer que fiquei radiante com o que assisti. Os Nouvelle Vague podem ser uma banda de covers, mas fazem-nas como ninguém. A nível instrumental falam a mesma língua que eu. Gosto do que oiço. Entregam-se completamente ao que fazem, assumem o compromisso de se divertirem em palco e acabam por contagiar o público. Aliás, essa é uma das razões que justificam tamanha popularidade e um recinto praticamente lotado só para os ver.
As vozes são perfeitas, os instrumentos, sensacionais, a linguagem corporal, bastante cativante, e as versões, feitas à medida. Nouvelle Vague são francamente bons e a darem concertos assim é natural que se tornem num caso sério de popularidade, sobretudo porque desenvolvem paralelamente vários projectos de originais a solo e com outros músicos e a qualidade é francamente boa.
Obrigado pela noite. Foram praticamente 3h00 de música de muito alta qualidade! E para terminar um 2008 de concertos, seguem-se os Gotan Project, dia 20 de Dezembro, também no Campo Pequeno.

sábado, novembro 01, 2008

Na passada 5.ª feira foi Natal na Argentina...

... "Deus" fez 48 anos.