<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, outubro 28, 2008

CSS Rocks!

Cansei de Ser Sexy acabaram de brindar o Coliseu de Lisboa com um concerto a todos os níveis espectacular! A primeira parte do concerto ficou a cargo dos X-Wife. Durante cerca de 40 minutos, a banda portuguesa criada em 2004 tratou bem do assunto e presenteou o público com o seu Hard Rock estilo 80's. Bons músicos, bom som, muita entrega, muito bom espectáculo. É pena que este género de bandas que se dedicam completamente ao público fiquem sempre pouco tempo em palco.
Às 22h entram os CSS em palco. Atrevam-se a falar mal de CSS. Atrevam-se a dizer que não são uma boa banda de Rock alternativo, Dance, etc. Os CSS são originais, têm estilo, têm vontade e não ficam nada atrás na entrega. Não tocaram no assunto, mas parece que vieram mesmo dispostos a fazer as pazes com o público português pelo sucedido a 10 de Julho deste ano. Já sabia que as actuações de CSS são bastante curtas (antes do segundo álbum chegavam mesmo a dar concertos de pouco mais de 40 minutos e esticavam algumas músicas para fazer render o tempo em palco), mas desilude-me o facto de uma banda tão viva e cheia de energia actuar apenas uma hora. Apesar do pouco tempo, não me parece que existam razões de queixa sobre a actuação de CSS. Para quem ainda duvidava da sua qualidade, parece-me que tiveram aqui a prova de que esta banda não brinca em serviço e não são um grupo de "wannabes", antes um grupo de certezas. A interacção com o público é constante, o que facilita o "processo de filiação a CSS" por parte daqueles que conhecem pouco ou nada da banda. LoveFoxxx e companhia estiveram em grande e deixam saudades! Apesar de terem dado um concerto brutal, convém não esquecer que não cantaram temas como CSS Suxxx, e que a voz de LoveFoxxx na parte falada de "Music is My Hot Hot Sex" deixou um pouco a desejar. Ainda assim, fica a o espectáculo soberbo que ofereceram ao público que se deslocou ao Coliseu.
Aqui segue o alinhamento do concerto:
- Jager Yoga;
- Meeting Paris Hilton;
- This Month, Day 10;
- Left Behind;
- Off The Hook;
- Rat Is Dead;
- Move;
- Music is My Hot Hot Sex;
- Give Up;
- I Fly;
- Alcohol;
- Let's Reggae All Night;

Encore:
- Air Painter;
- Let's Make Love and Listen to Death From Above;
- Alala.

Próxima paragem: Nouvelle Vague, Campo Pequeno, 7 de Novembro de 2008.

quarta-feira, outubro 22, 2008

Um desporto tão viril como o futebol também tem momentos de ternura

No Torreense-Académica para a Taça de Portugal, os jogadores das duas equipas brindaram o público com um beijinho terno entre si e com um segurar de mãos para partilharem a emoção do momento.

domingo, outubro 19, 2008

Aimee Mann: não basta poder, há que querer!

Aimee Mann apresentou-se hoje no Coliseu de Lisboa. O espectáculo começou com quase uma hora de tortura de Tiago Bettencourt (Toranja) e os seus playbacks instrumentais e as suas músicas sem qualquer sentido. Não gosto deste género de "artistas" que pensam que uma música lá por estar cheia de palavras eloquentes é alguma coisa de jeito: "Ena pá, a música é um espectáculo porque digo que andamos em voltas rectas na mesma esfera! Que trocadilhos! Que eloquência! Que... MERDA!". Esta Toranja anda ali à volta da mesma coisa e do mesmo jogo de palavras e por vezes até me faz lembrar os Ban que repetiam vezes sem conta os mesmos versos, cheios de palavras "difíceis" e vazias de sentido.
Findo o suplício, entrou Aimee Mann em palco. Gosto de algumas das suas músicas, mas confesso que não voltava a pagar nem metade do que paguei pelo bilhete de hoje. Os concertos de Aimee Mann são mesmo só para fãs, não sendo suficiente gostar de algumas das suas músicas! Aimee Mann parou no tempo: grande parte do seu repertório apresenta um marcado estilo hippie, especialmente na melodia e nos coros. Na verdade, só lhe faltava uma coroa de flores no cabelo, uma saia longa e umas sandálias. Apesar de ter um estilo ultrapassado, tem momentos de light rock contemporâneo, o que ajuda a que pessoas como eu pensem que nem todo o dinheiro foi perdido. Uma palavra de destaque para os teclistas e para o baixista que são de boa qualidade. Pela negativa, a forma tão mecânica quanto falsa com que os artistas têm a mania de dizer "I'm so happy to be here. You guys are great". O ar de enfado com que Aimee Mann disse isto quase deu vontade de vaiá-la. Não se sintam obrigados a dizerem estas coisas simpáticas apenas porque cai bem, sobretudo porque acaba por não cair. Quando uma banda se dirige ao público é bom que diga alguma coisa minimamente sentida, senão pelo menos bem encenada. De 0 a 10: 3 (actuação muito morta, muito previsível, muito mecânica, longe de ser morna).
Ainda não foi desta que me consegui esquecer de Portishead, em Abril deste ano, no Coliseu. Isso, sim, foi um concerto memorável! Próxima paragem: Cansei de Ser Sexy, dia 28 de Outubro, também no Coliseu.