<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, dezembro 16, 2007

O Pai Natal quando quer, é amigo...

Depois de saírem defraudadas as expectativas depositadas ao longo de 25 Natais, onde pedi um Mercedes SLK que nunca tive, uma moradia no Estoril que também nunca cheguei a ter, e um casamento com uma sexagenária que depois do divórcio me pagasse uma pensão de alimentos de 5.000 euros, eis que o Pai Natal resolveu ser meu amigo. Já começava a duvidar dele, mas este ano dei-lhe uma hipótese. Não que eu tivesse ajudado velhinhas a atravessar a rua, tivesse feito a cama todos os dias e deitado o lixo na rua em vez de forçar a mamã a esse tipo de trabalhos forçados, mas porque pelo menos não fiz travessuras. Deixei de puxar os cabelos aos outros meninos, de lhes espetar lápis nas costas durante as aulas, etc.
Apenas deixei de fazer o mal (yeah, right)... e este ano fui recompensado!

terça-feira, dezembro 11, 2007

Excelente texto

Este texto foi publicado por uma colega de curso num fórum. Gostei muito do texto e gostava de partilhar com todos:

Não espere um sorriso para ser gentil;
Não espere ser amado para amar;
Não espere ficar sozinho para reconhecer o valor de quem está ao seu lado;
Não espere ficar de luto para reconhecer quem hoje é importante em sua vida;
Não espere o melhor emprego para começar a trabalhar;
Não espere a queda para lembrar-se do conselho;
Não espere...
Não espere a enfermidade para perceber o quanto é frágil a vida;
Não espere pessoas perfeitas para então se apaixonar;
Não espere a mágoa para pedir perdão;
Não espere a separação para buscar reconciliação;
Não espere a dor para acreditar em oração;
Não espere elogios para acreditar em si mesmo;
Não espere...
Não espere que o outro tome a iniciativa se você foi o culpado;
Não espere o eu te amo,para dizer eu também;
Não espere o dia da sua morte para começar a amar a vida;
E então,o que você está esperando?

sexta-feira, dezembro 07, 2007

Clã na Aula Magna: chamam a isto concerto?!

Se aquilo a que acabei de assistir há pouco mais de uma hora foi um concerto, vou ali e já venho! Aquilo que os Clã deram durante duas horas na Aula Magna, no dia 6 de Dezembro de 2007, foi um Mega Espectáculo! Uma Super Actuação! Enfim, tudo assim em grande, tal como eles!
Realmente, foram duas horas que passaram como se fossem dois minutos! Além das músicas do álbum Cintura, ainda fomos presenteados com os "oldies but goodies" clássicos que mesmo anos depois de terem sido lançados em disco continuam a fazer as delícias dos maiores fãs dos Clã. "Topo de Gama", "GTI", "H2omem", "Dançar na Corda Bamba", "Problema de Expressão" e vários outros clássicos, com as músicas do álbum Cintura pelo meio.
25 euros? 30 euros? Honestamente é muito pouco para a qualidade de um espectáculo destes. Incansáveis com uma Manuela Azevedo a dar show durante todo este tempo. Realmente, já dizia Luiz Felipe Scolari: "o ruim é que é caro. O que é bom é sempre barato". O dinheiro que se deu pelo bilhete foi realmente muito pouco para tanta qualidade! Não é para quem quer, nem para quem pode: é para quem gosta verdadeiramente!
Parabéns aos Clã, porque em cada actuação que fazem conseguem superar-se e superar as expectativas dos seus admiradores!

quarta-feira, dezembro 05, 2007

A minha vida dava um filme indiano...

... a sério que dava!