<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, agosto 26, 2007

Roma...

Faz hoje um mês que cheguei a Roma. Que saudades! A melhor viagem que podia ter feito. Desde então, li uma frase num jornal que dá a verdadeira ideia do que é Roma: "Roma é a única cidade do mundo onde tenho medo de dar um pontapé numa pedra da calçada, não vá estar a dar um pontapé na História".
Mais objectivo que isto, é impossível.

terça-feira, agosto 07, 2007

4.º aniversário do blogue

No passado dia 1 de Agosto, este blogue completou 4 anos de existência. 30.000 visitas, para um blogue privado, não está mal. Têm sido 4 anos dedicados à blogoesfera, mas este é especial por ter sido neste que tudo começou. Continuam aí os posts todos de origem, sem nenhum ter sido apagado. Espero que todos os que sempre me visitaram, continuem a fazê-lo.
Obrigado por tudo.

sexta-feira, agosto 03, 2007

Sensações de Roma e de Florença...

Benvenuti a Roma

Trago comigo uma imensa saudade e uma sensação de vazio. Deixei algo em Itália. Não sei se Roma me aceita como seu filho, mas eu considero-me filho dela. Porque não mais um que mama na loba ao lado de Rómulo e Remo? Não há lugar para mim ao lado deles, é verdade. Mas há lugar para mim em Roma. Como adorei tudo! É incrível. Fiz a viagem da minha vida, porque senti sensações incríveis.
Cada passo que se dá em Roma, tem um mistério, um significado, qualquer coisa para nos dizer. Tudo tem história, tudo respira o passado e conjuga-se com o presente. A história faz parte dos romanos e continuará a fazer.
Que saudades de lidar com aquela gente simpática e afável. Que saudades de ler e falar no italiano, clássico que é. Que saudades de ver aquelas roulotes de indianos que vendem 24 horas por dia águas, fruta, gelados, pizzas, bebidas, etc. Em cada rua existe sempre uma ou duas, no mínimo. Os taxistas podem ser ladrões, mas aqueles táxis são de luxo. Tudo de primeira linha. A primeira sensação quando passei pelo Coliseu é indescritível. Há quase 20 anos que sonhava com aquela imagem, e a primeira visão foi ver o Coliseu à noite. Lindo, fantástico. Passei e fiquei boquiaberto com o que vi. Superou qualquer expectativa (alta) que eu tinha. Todos os dias voltava lá ao final de tarde. Ver o sol a pôr-se e ver a mudança de cores do Coliseu, é indescritível. Não consigo ter palavras para classificar aquela beleza. Ficava lá duas horas a ver as pessoas divertidas a tirarem fotos. Muitas emocionadas com o local. Vi casamentos à porta do Coliseu. Vi aqueles três romanos a trabalharem lá tirando fotografias com o público. Simpáticos. Pagava-se por duas, mas eles não rejeitavam que fossem três ou quatro. Toda a história em volta do Coliseu, é linda. O arco de Constantino, perfeito, ali junto ao Coliseu.
As minhas duas melhores amigas em Roma foram a "botiglia d'acqua" e "le fontane", sempre com água potável e prontas a ajudar-me a recuperar do cansaço e da fadiga de fazer Roma a pé. Todas as fontes têm um toque de arte, de detalhe, de belo. Vejo por todo o lado a Loba capitolina e o "giallorosso", cores tradicionais de Roma. Vejo o monumento dedicado a Vittorio Emmanuel. Que coisa enorme, brutal, gigante. Temos duas soluções: ou nos sentimos pequenos demais, ou deixamo-nos absorver pela magia de Roma e fazemos parte dela. Ali junto à Piazza Venezia, temos o velho palácio e a varanda de onde Mussolini discursava. Intacto, perfeito. Se vamos pelo lado esquerdo do monumento erigido em honra do primeiro rei de Roma, vamos pela rua do Coliseu e passamos pelas estátuas dos imperadores romanos, nos quais surge desde logo Júlio César. Por trás da sua estátua, as ruínas do fórum romano. Se formos pelo lado direito damos conta da famosa escadaria que nos levará à praça com a estátua de Marco Aurélio.
(continua...)

quinta-feira, agosto 02, 2007

Resposta a desafio

Respondendo ao desafio lançado pela Helena de Tróia e pela Persona Naturale aqui deixo as minhas seis músicas preferidas:

Norah Jones, Don't Know Why - é impressionante a calma que esta música nos passa. Um sentimento de tranquilidade, paz, uma letra linda e uma voz magnífica. Tem tudo e oiço-a vezes sem conta (a par do Sunrise, do Come Away With Me, do Be My Somebody, e do Not Too Late). Foi a primeira música que a lançou, e acho que é a melhor.

Red Hot Chili Peppers, Give It Away - não é que a música tenha uma letra brutal, porque não tem, mas quando foi lançada marcou o início de uma geração que posteriormente se agarrou a Nirvana. Quem começou a ouvir Anthony Kiedis acabou por ouvir Kurt Cobain e quem conheceu primeiro o segundo, acabou por ouvir o primeiro. É uma música cujo videoclip ainda me lembro perfeitamente, e adoro esta música. Marca o início de uma nova geração da música.

Humanos, Muda de Vida - uma música cuja voz tem uma Manuela Azevedo que se adapta ao mais intenso e ao mais calmo. A letra, de António Variações, diz muito sobre a vida: "olha que a vida não, não é nem deve ser, como um castigo que tu terás que viver". Um "must hear"!

Nirvana, Where Did You Sleep Last Night - possivelmente a canção mais emotiva que Kurt Cobain já gravou. De ouvir a música sentem-se arrepios e não se fica indiferente face à forma intensa com que Cobain a canta. É uma cover de um clássico com mais de 100 anos.

Fine Young Cannibals, She Drives Me Crazy - esta banda do início dos anos 90 teve uma música que diz tudo sobre as paixões e sobre o amor, em particular quando sou eu a senti-las. Esta música foi lançada no mesmo ano que o Give It Away dos Red Hot, e o vocalista deste grupo tem uma voz muito particular. A música tem uma musicalidade que atrai, e uma letra melhor ainda.

Fatboy Slim, Right Here Right Now - Esta música acompanhada de um videoclip cujo tema era a origem do universo e da vida e o seu desenvolvimento até aos dias de hoje, marca-me bastante, sobretudo porque deu origem a que surgissem fenómenos como Moby, entre outros DJ's e músicos de electrónica. A música é simplesmente genial e o videoclip fantástico. Marcou o início do meu gosto pela música electrónica.

Tenho muitas outras músicas que me dizem muito pela música e pelos videoclips. O Thriller do Michael Jackson é algo nunca antes visto! Foi com ele que surgiram as grandes coreografias e danças que hoje se utilizam. Quem gosta de dança tem que gostar desta música/clip. O Sweet Dreams dos Eurythmics é outra música fantástica, que também me marca há anos. Como videoclips destaco o Rock Me Amadeus do Falco, o Live is Life dos Opus, o Down Under dos Men At Work e os da Björk. Aliás, capas de CD's, os da Björk costumam ser os mais artísticos.
Mamonas Assassínas... qual era o adolescente que não ouvia isto nos anos de 1994/95?? Vanessa da Mata - Ai ai ai, nunca ouviram? Oiçam! Uma Adriana Calcanhoto, uma Elis Regina. Se nunca ouviram, não sabem o que perdem! Sixpence None The Richer, Kiss Me; Borrow, dos Silence 4; INXS, Need You Tonight; Madonna, Papa Don't Preach; Queen, Love Of My Life...