<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, julho 23, 2007

Ao vivo é qualquer coisa...



... sublime!

sexta-feira, julho 13, 2007

Resposta ao desafio de Titá

Ora bem, aqui vem mais um belo desafio. Cinco livros que me marcaram mais, excluindo manuais escolares e universitários. Assim é difícil. Brinco! A Titá desafiou e eu aceitei. Ora aqui vai:
1.º - "Um Estranho numa Terra Estranha", Robert Heinlein. Possivelmente foi o primeiro livro a marcar-me fortemente. Li-o na adolescência e é um livro que já marcou várias gerações. Se não o leram, leiam-no.
2.º - "O Amor é fodido", Miguel Esteves Cardoso. Li-o há mais de cinco anos pela primeira vez. Se soubesse que MEC escrevia desta maneira e que muito do ali descrito se assemelhava à minha vida, já o teria lido antes para saber o que me iria acontecer :). Li-o já diversas vezes, mas a primeira foi a que marcou mais pelos motivos indicados.
3.º - "Os Maias", Eça de Queirós. Li-o há dez anos, porque fui obrigado, estava eu no secundário. "Primeiro estranha-se, depois entranha-se", é assim que posso descrever este livro. Muitos de nós não estamos suficientemente preparados para ler certos livros. Corrijo. Todos estamos preparados para ler um bom livro. Não temos é todos maturidade suficiente, com certas idades, para lhes dar o devido valor. Uma obra-prima. Hoje creio dar-lhe o valor que merece.
4.º - "Esteiros", Soeiro Pereira Gomes. Li-o há mais de cinco anos, oferecido por uma pessoa especial na altura. Na dedicatória dizia que a sua leitura é fundamental para qualquer português. Depois de o ter lido posso confirmar isso mesmo.
5.º - "A Arte da Guerra", Sun Tzu. Um verdadeiro manual de sobrevivência e gestão de pessoas e de situações da vida. Não podemos ir para a luta que é a vida sem ter lido este kit de sobrevivência. Pelo menos se pretendermos ser bem sucedidos nela.

Passo a desafiar outros cinco:
- Phoenix, do blog "o canto da Fénix";
- pipinha, do blog "Delirantemente Feliz";
- Persona Naturale, do blog "Verbum Pro Verbo";
- Kénia, do blog "Kenia e Paul";
- As meninas do GTL, do blog "Gabinete de Tempos Livres".

quarta-feira, julho 04, 2007

Lisboa: cidade das Sete Colinas

Conta a lenda que antigamente existia aqui um reino chamado Ofiusa e que era governado por gigantescas serpentes.
A rainha das serpentes era meio mulher e meia serpente mas em nada era tenebrosa. As suas graças e jeitos eram de menina e um poder de sedução incrível. Esta era a arma que usava para enfeitiçar todos os que aportassem no seu reino.
Diz-se que num belo dia, nas suas longas viagens, o herói Ulisses e seus companheiros ancoraram neste porto, à beira Tejo.
A rainha apaixonou-se imediatamente por Ulisses e tinha intenções de o manter no reino e desposá-lo. Ulisses fingiu corresponder ao seu amor para que nem ele nem os seus companheiros viessem a correr perigo de morte e para que se pudessem abastecer com mantimentos para a viagem.
Assim que conseguiram reunir todo o material necessário para a viagem, Ulisses ludibriou a rainha e fugiu em direcção ao mar alto.
Enraivecida e enganada, a rainha lança-se numa tentativa desesperada para alcançar o seu amado e, o mais depressa que a sua cauda o permitia, foi serpenteando até ao mar. Porém, a rainha serpente nunca alcançou Ulisses.
Ainda hoje podemos ver as marcas deste tão desconcertante encontro: As sete colinas de Lisboa que se dirigem todas para o mar em busca de um eterno amor...

Fonte: InLisboa.com