<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, agosto 31, 2005

Solidão...

Sentirmo-nos sós é horrível. Sempre soube o que era sentir a solidão de perto, mas agora, mais do que nunca, além de me sentir só, encontro-me mesmo só. Do meu lado, as pessoas aos poucos vão abandonando o barco e seguindo a sua vida, completamente lixando-se para quem cá está. E é aí que passo horas do meu dia, deitado na minha cama, a pensar em como é estar só, e a pensar em como dar a volta por cima. Acontece que a resposta que descubro, é algo que nunca fiz, nem soube, que é: esperar. A minha única forma de lutar contra isto, é esperar que o tempo passe, a ver se melhores dias virão. Não adianta remoer-me com isso. Um dia vai passar, resta é saber como. Sempre entendi as solidões de toda a gente, mesmo não as tendo vivido. A diferença é que agora, sinto-as e... custa! Dói! Mas, tem que se ultrapassar e no meu caso é engolindo em seco, passando mais dias, semanas, meses na minha cama, à espera que surja uma forma de sair. Uma oportunidade. Ela um dia surgirá. Mas a desmotivação é tanta, que não me encontro com vontade de correr à procura dela. Ela que pouse. Quem sabe, eu não a aproveitarei. Até lá, vou aprendendo mais comigo mesmo, e aproveitar para aprender a... saber esperar e a saber ultrapassar desertos. Não peço ajudas a ninguém. Deixem-me morrer por aí. Se tiver que sobreviver, sobreviverei. Se tiver que morrer aqui no meu canto, é porque o destino assim o quis. Vamos ver o que o futuro me reserva. Não quero que ninguém force, e fico grato a todos aqueles a quem a hipótese de me tirar disto, lhes tenha passado pela cabeça. O futuro dirá o que é e será de mim. Tenho momentos altíssimos, de Êxtase. Mas ao mesmo tempo tenho momentos radicalmente diferentes, que é cerca de 75% do meu tempo. Neste mês de Agosto, tive 1 semana de férias com a minha família "verdadeira", um ou dois dias mais com eles, 1 manhã com Leonor Beleza e 1 noite (salvo seja) com a Manuela Azevedo. O resto... Os momentos de luz são fogazes, mas... encontro-me crente que a muito curto prazo esta situação se resolverá: para o melhor, ou pior. As coisas cansam-nos e sentimo-nos cansados, porém há sempre a esperança, até ao último suspiro, de surgir uma luz ao fundo do túnel.

domingo, agosto 28, 2005

Com Manuela Azevedo...



Caros amigos, estive ontem com a maior voz de Portugal e do Mundo actualmente, Manuela Azevedo. Aqui deixo um dos "recuerdos" que trouxe! Estava muito calor, por isso, perdoem o meu ar desfraldado, suado e meio "doido". lol
A eternamente simpática, simples e com qualquer coisa que lhe dá um charme especial, Manuela Azevedo, que até é ex-colega de curso, só que ela por Coimbra.

quinta-feira, agosto 11, 2005

Leonor Beleza



Caros leitores,

tive hoje uma oportunidade única e fantástica: conhecer Leonor Pizarro Beleza. Encantou-me a simpatia com que fui recebido por ela, bem como a simplicidade, objectividade e ainda sinceridade e transparência que a caracterizam. Não tem papas na língua, nem faz fretes a ninguém. O que tem a dizer, di-lo da forma mais directa, transparente e sincera. Estamos perante uma autêntica SENHORA, que hoje tive o enorme prazer em conhecer. Fala de tudo abertamente, e vai directa ao assunto. Ao contrário de muitos que andam por aí (alguns até se dizem Homens com H grande, mas devem ser Homens com H grande do tipo Ney Matogrosso) que enrolam, enrolam a ver se fogem às questões que lhes são colocadas e vêm com muitas lições de moral e valores típicos dos livros da Pequena Sereia ou Pocahontas, Leonor Beleza prima pela forma como faz passar a sua mensagem e estamos aqui perante uma verdadeira comunicadora e acima de tudo uma jóia de mulher! Mais uma vez, tenho a oportunidade de conhecer uma Mulher como não há hoje em dia. Ou se as há, andam bem escondidinhas.
Mulher corajosa, a "Dama de Ferro" (como é carinhosamente apelidada), deixa-nos um recado a todos nós, que outrora já lhe fora dado por alguém que tem a mesma alcunha que ela: "You have to be tough!"
Foi um prazer enorme ter conhecido A Mulher que é de uma competência profissional e política tremenda! A Mulher que é de uma simpatia extrema! E A Mulher que, para mim, é um verdadeiro ícone sobre como deve uma pessoa ser!



Nota: A todos os que lerem o post, por favor, abstenham-se de comentários menos próprios, ridículos, irónicos, relativamente à pessoa desta grande SENHORA que eu muito admiro. Se não a respeitam a ela, pelo menos respeitem a minha admiração pela mesma! Obrigado.

terça-feira, agosto 09, 2005

Pós-férias

Regressei de uma curta estadia pelos Algarves. As férias ainda duram (e muito ainda falta) e sem sombra de dúvida que foi uma mini-temporada que valeu a pena. Ao invés de tanta reclamação com a minha situação de aborrecimento, de verão, etc, tomei uma atitude e juntei-me aos meus amigos, tendo passado muito bons momentos com eles. Hoje, de volta à "miséria", à "pobreza", à "província", volta a tristeza e o vazio do costume. Problemas, mais problemas; vazio, mais vazio! Apesar de ter muita coisa na minha vida em queda vertiginosa, sem sombra de dúvida que nesta temporada pensei, ao mesmo tempo que estava com as pessoas, sobre o quantas coisas, ainda assim, tenho de valor na minha vida. E a que destaco são os amigos. Tenho a sorte de ter os amigos que tenho. Um grupo muito bom. Independentemente de me terem recebido por lá ou não (algumas pessoas eram capazes de receber, mais não fosse por gentileza ou simpatia apenas), mas pela forma como o fizeram e como me trataram. Trataram e sempre me têm tratado. Acho que, se não tenho mais deles, talvez seja porque algumas coisas à minha volta não ajudam, e se calhar, muitas vezes também sou eu que não ajudo.
Em conversa com um dos meus grandes amigos, há alguns dias atrás, dizia que, os meus amigos é que acabam por ser a minha verdadeira família. Tenho uma família que se está (quase literalmente) a "cagar" para mim! O problema, e se calhar o que me faz ver que não sou eu que tenho a mania da perseguição, é que não é só para comigo, mas quase toda a minha família, entre si, é assim! É preocupante! É grave! Mas as coisas já são assim há muitos anos. E é entre todos. Cada um por si, ou uns 3 ou 4 lá se engrupam, e o resto é tudo ataque a eles. Enfim, não vou desenvolver aqui a teoria da conspiração, porque não a há, e porque se me começo a entusiasmar, receio cair no exagero sobre os factos! Acontece isso comigo, muitas vezes! Antes que o faça, fico-me por estas curtas declarações.
Como a atitude da minha família para comigo é esta, e eu NUNCA me identifiquei com a mesma, (cada pessoa salva-se a si mesma, e faz o que quer, e os outros que se lixem), tive que encontrar pessoas com as quais pudesse desenvolver os laços familiares que nunca tive. E foi assim que, ao fim de tanto tempo, e de sensivelmente 20 ou 21 anos, encontrei os amigos que tenho actualmente (estas amizades já duram há anos), e com os quais me identifico! O sentimento relativamente aos mesmos e a afinidade, foram progredindo de tal forma, que há uns dias disse a um deles aquilo que realmente sinto: são como uma família para mim. Se calhar "como uma família" é errado. Diria mais: os meus amigos são "A" Família! Eles são os meus irmãos e primos chegados! São eles que às vezes me entendem (sei que às vezes não facilito, mas às vezes também há falhas deles. Mas... as relações são assim mesmo: hoje falhas tu, amanhã falho eu), e outras 1001 coisas mais! E, sinceramente, sinto que fui passar férias com a minha família, e que outros tantos, se encontram em férias actualmente por outros sítios.
Do meu mais profundo coração, espero que a Família não se separe nunca, e que sempre continuemos com esta afinidade que nos une. Para já, acho que nestes últimos dias aprendi uma coisa, que já devia ter aprendido há muito tempo, que é não discutir 3 coisas com eles: Religião, Política e Futebol (pronto, ok... o futebol até se dá a abébia). Estas 3 coisas são sagradas, e se calhar é melhor deixar de me pronunciar sobre estes assuntos à frente deles, porque tendencialmente gerará polémica e stress, etc. E, para ninguém se chatear, é melhor não me pronunciar.
Bem, partilhamos dos nossos problemas, das nossas experiências, da nossa vida, dividimos momentos, fazemos tudo juntos e por isso, fica aqui o aviso a todos eles: Família unida, jamais será vencida! Por isso, não estraguem isto que tem sido construído durante anos, e que me faz sentir orgulhoso! Que as afinidades se desenvolvam mais e mais, e que ao menos nesta Família, ninguém se "cague" para ninguém!
Aninhas, Bruno, Delfim, Diogo, Fernando, Fred, Miguel (este anda armado em ovelha negra, mas ainda vai atinar), Tatiana, (por ordem alfabética) obrigado por serem a minha verdadeira Família! E que possamos manter a mesma, enquanto a nossa existência neste mundo nos permitir! Descrever o que todos juntos temos passado, vivido e trocado a nível de experiências (Alegrias e tristezas) é impossível, dado que são imensas coisas e factos. Por isso, a todos, o meu muito obrigado e que nos mantenhamos sempre assim!
Não precisei desta semana com a maioria de vocês, para escrever este post. Ainda não tinha ido, e já tinha comentado sobre isto tudo com um de vocês. Acontece é que, esta semana, pela 1ª vez, senti que tive umas férias em Família a sério, como já tinha tido, de certa forma a passagem de ano, e o dia-a-dia convosco. E, mais tarde ou mais cedo, tinha que escrever este post. Está feito. A todos vocês, contem sempre comigo na vossa fila da frente para ir lá por vocês, e para estar sempre convosco! Obrigado pela vossa existência na minha vida! E obrigado pela cor que lhe dão!

terça-feira, agosto 02, 2005

Amor de Conserva



Parto hoje para férias (breves e curtas) mas, deixo-vos com a letra da música Amor de Conserva. De quem mais poderia ser, senão da ENORME, GRANDE, TREMENDA... Manuela Azevedo?!


Porque o nosso amor
É um amor de conserva
Que nós temos de reserva
Prós dias maus que hão-de vir

Porque o nosso amor
Entrou naquela rotina
A cumprir aquela sina
Que o fez começar

Porque o nosso amor
O nosso amor
Conserva
O nosso amor

Porque o nosso amor
É uma voz que desafina
Que sabe que nunca atina
Mas que não se quer calar

Porque o nosso amor
É um amor de conserva
Que nós temos de reserva
Prós dias maus que hão-de vir

Porque o nosso amor
O nosso amor
Conserva
O nosso amor
É um amor de conserva