<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, julho 31, 2005

2 anos...

... de "As coisas tal como elas são". Faz amanhã, dia 1 de Agosto, 2 anos desde que iniciei este blog. Aqui tentei passar humor, cultura, emoções, alegrias, tristezas, músicas, um pouco de tudo. Espero que daqui a 1 ano esteja a festejar os 3 anos deste blog, e espero ter atingido a marca das 20.000 visitas. Quem quiser e puder, publicite, se gostou de o visitar! Obrigado a todos os que colaboraram nos 2 anos do Ipsis Verbis.

sábado, julho 30, 2005

Para reflexão

Um homem visitou um místico famoso, porque queria saber como poder livrar-se das suas crenças e preconceitos. Em vez de lhe responder, o místico andou em direcção a um pilar e abraçou-o, enquanto gritava:
- Socorro, salvem-me deste pilar! Ele está a prender-me! Salvem-me deste pilar!
O homem que fizera a pergunta, julgou que o místico era maluco. A gritaria atraiu muita gente. Sem conseguir acreditar no que via, o homem perguntou:
- Por que é que está a fazer isso? Eu vim para lhe perguntar algo importante. Pensei que você fosse sábio mas, afinal, acho que é louco. O senhor está a segurar o pilar e pode soltá-lo quando quiser. O pilar não o prende!
O místico largou o pilar e disse:
- Então já tem a resposta à sua pergunta. Não são as suas crenças e preconceitos que o seguram. Você agarra-os firmemente e não os solta. Para se livrar deles, basta largá-los quando quiser.




by Pia Steiner

terça-feira, julho 26, 2005

O Verão...

... é a minha época preferida do ano e, incrivelmente, a mais deprimente de todas. Durante o ano estou sempre com a cabeça entretida. Pode até ser bastante cansativo, e obrigar-me a pedir férias, mas estou entretido com algo. Quando chega o Verão, faz-me lembrar a época do Natal: super-deprimente. Quando era puto, tinha amigos para sair, para ir à praia, para fazer umas jogatanas de futebol, de vólei, iamos a todos os sítios, faziamos 1001 coisas, e às vezes até todos juntos ficavamos sem fazer nada... e de repente, parece que quando se cresce, se fica sozinho, por mais companhia que se tenha!
Há quantos anos não sei o que é ir à praia com uma pessoa que seja a acompanhar? Ter que ir constantemente sozinho pode ter a sua graça uma vez ou duas, mas... há anos?! Deprime-me bastante. Ficar em casa, porque me deprime ver as pessoas, onde quer que vá, sempre acompanhadas por amigos/namoradas/conhecidos/família e eu... ter que andar sozinho feito "Cavaleiro Solitário", vá para onde for, faça o que fizer. Faço compras sozinho, vou à praia sozinho, passo férias sozinho (as únicas 2 vezes em toda a minha vida, que passei mini-férias (nem sequer férias são) sozinho, foram as últimas duas passagens de ano), saio à noite sozinho e faço 1001 outras coisas sozinho, porque... nem eu sei porquê! Mas, ao fim de tanto tempo, e de tanto analisar a situação, se calhar a culpa deve ser minha. Eu enquanto pessoa devo ser bom para conviver assim de forma "light" no dia a dia, mas para conviver de forma mais aprofundada... é melhor não! Sei que sou uma pessoa difícil, mas... acho que ninguém é assim tão insuportável. Ninguém me suporta! Nem para relações amorosas, nem para amizade. Parece que as pessoas chegam sempre a um certo ponto e põem travão! E depois, nem na família me posso refugiar! Quando era mais puto, a minha família era unida, e via com frequência os meus primos e sempre passava algum tempo com eles. Era daqueles que brincava dia e noite na rua (ainda não haviam Playstations, e computadores só nas empresas, jogos de computador era quase inconcebível) e estava sempre cheio de amigos e família nessa altura. Depois, a família dividiu-se toda, os outros cresceram e fizeram as suas vidas e eu... enfim.
Invejo (no bom sentido) todos aqueles que vejo a irem para a praia com uma bola debaixo do braço e com amigos à volta, aqueles que passam dias inteiros numa praia a apanhar sol e ondas, aqueles que vão com um baralho de cartas na mão mas também levam os amigos, e dá para ver nos rostos deles... e nos olhos... a felicidade com que fazem coisas tão simples! E a mim até já me deprime sair de casa, porque fico a ver toda a gente a sair, a divertir-se e eu... em casa, porque todos à minha volta já têm as suas companhias privada, ou têm qualquer outra coisa que fazer. Se calhar devia fazer amizades com malta de 15/16/17 anos... esses até costumam achar "fixe" ter no seio de amigos, um tipo que seja mais velho! Talvez deva voltar aos skates (como andava antigamente) e às bicicletas, ou aos jogos com bolas de "catchú". Irrita-me ir a um Centro Comercial comprar um jornal, ou uma peça de roupa, ou o que for. Irrita-me espreitar à janela. O que quer que faça, no exterior, irrita-me, porque vejo toda a gente acompanhada e eu não! E há ainda aqueles que se dão ao luxo de ter várias companhias por onde escolher! Ainda bem que o têm e a esses fica o conselho: NUNCA desperdicem o que têm. Pode parecer-vos pouco e algo demasiado simples, e por vezes podem querer mais outras coisas do que isto de que vos falo, mas... acreditem... estar-se (e acima de tudo sentir-se) só, é extremamente complicado! Valorizem o que têm e que por vezes consideram pouco!
Estar-se sozinho e sentir-se a solidão, com um mundo lá fora a sorrir para nós, é... horrível. E sentimo-nos abaixo de muita coisa! Talvez seja por isso que mais intolerável e irritante fico... os vazios, as solidões, a falta de actividade, cria estas coisas nas pessoas. Sobretudo frustrações... e depois os feitios ficam assim. Tornam as pessoas mesquinhas. O engraçado é que a culpa não é de ninguém. Nem sequer minha. Não posso culpar ninguém por ter a sua própria vida (era só o que faltava e seria o cúmulo do egoísmo), nem me posso culpar a mim por não ter ninguém à minha volta, as coisas simplesmente vão acontecendo e... se pudermos fazer tudo para mudar, ok. Se não, paciência...
O problema é que todos aqueles que normalmente estão "perto" de mim, residem longe, e torna-se complicado poder acompanhar um certo ritmo que eles têm, porque certas coisas sempre estive habituado a fazer e depois mudam os hábitos. Sempre estive habituado a sair com a malta (quando saía) e depois de se ficar um bocadinho na maior, cada um regressava ao seu tecto (quanto muito por volta das 2 e picos, 3 da manhã), ia dormir e no dia seguinte lá voltava o mesmo ritmo. Mas, as pessoas que estão mais perto de mim, estão longe, e o convívio torna-se complicado por vezes. A maior parte das vezes só se concretiza porque vamos todos para o mesmo sítio, ou porque há a possibilidade de nos encontrarmos num sítio que dê jeito a todos.
Toda a gente tem os seus amigos em todos os lados, e a sua companhia em todo o lado, mas aquilo que me falta é gente (uma pessoa que seja) que resida aqui perto, ou com quem se possa conviver aqui perto. Faz-me falta muita gente... malta que goste de sair, de ir à praia, de sair á noite, de fazer 1001 coisas e que dê para o fazermos sem que uns se sacrifiquem mais para se deslocarem pelos outros. Pessoal solteiro, sem ninguém, tal como eu, de modo a que ninguém se sinta mal porque um tem companhia e os outros não e depois começam a perguntar "afinal o que é que eu tenho que estou sozinho?".
Moro aqui a 10 minutos da Praia, a 10 minutos de 3 discotecas e bares, e por incrível que pareça, não vou à praia há mais de 1 ano (porque ir sozinho é horrível, sobretudo quando se vai sozinho há anos), e esses bares e discotecas daqui de ao pé de mim (Remédio Santo, RS, Swell, HK entre outros) não os visito há pelo menos ano e alguns meses!!!! Para quê? Ir sozinho? Ainda pensam que depois vou para lá como alguns... ficarem encostadinhos num canto, a uma coluna, a verem se conseguem engatar alguma! Não quero ir lá engatar ninguém! Sempre que se sai com os amigos, não ando a tentar engatar ninguém! Quero lá saber disso. Quero é aproveitar o tempo que se está com eles!
Enfim... isto são pensamentos que há anos que se formam em mim (e sobretudo o Natal, que desde 1998 o passo sozinho no PC... exceptuando o Natal de 2000 que passei no Brasil, ainda que sozinho, mas ao menos era diferente), e que chega a um ponto que a pessoa não aguenta mais e que, 1º exterioriza-os blogando, depois... começa a pensar se realmente vale a pena continuar neste mundo sentindo-se "sozinho"! São só desabafos, e não sou nenhuma vítima, nem vítima de nada! Porque para que hajam vítimas, é preciso que hajam também culpados (sejam pessoas, ou situações da vida) e neste caso não há. Logo, a culpa além de não ser de ninguém, também não há vítimas nenhumas. Há, tão só, uma frustração enorme. Podemos "enganar-nos" e passar 1 semana de férias este ano ou no próximo, mas isso será como se um analgésico fosse... alivia e engana a dor durante esse período, mas depois falta-lhe a continuidade! E é essa continuidade que mata. E às vezes até essa semana que se passa, acaba por fazer mal... porque depois deixam aquela vontade de fazer sempre, e mais tarde ou mais cedo se descobre que isso será impossível. Isto é só um desabafo. Não é para levar em conta! E o pior de tudo é que sinto que com estes anos todos, fui tornando-me cada vez mais sozinho e bicho do mato e a esta hora já nada se pode fazer. Sou assim, tenho o meu mundinho e... tornei-me neste bicho...

sábado, julho 23, 2005

Para a História (de Portugal e Mundial!!!!)


Quero aproveitar a por isto aqui, enquanto ainda dura. Há 1 ano, que foi atribuída a nota de Oral de 22 numa cadeira da Faculdade de Direito de Lisboa. Também já foi dado 1 de oral. Isto ou é 8 ou 80 milhões! Dado que a escala em Portugal só vai até ao 20... palavras para quê? Rapaziada e raparigada, fica aqui o conselho: da próxima vez que vos disserem "20 é para Deus, 19 para os Grandes Mestres, 18 para mim, 17 é para os que quase chegam ao meu nível e de 16 para baixo é para vocês", espetem-lhes com o link desta nota que foi atribuída, e digam que desde 29 de Setembro de 2004, alguém fez melhor que Deus (salvo seja) e recebeu 22 numa oral.

P.S.: Não, isto não é montagem e quem duvidar da veracidade disto, eu arranjo forma de poder consultar esta informação.

sexta-feira, julho 22, 2005

Ainda os Humanos...



Mais uma foto do Concerto dos Humanos, tirada por mim, desta feita com o David Fonseca, senão a malta ainda enjoa a Manuela Azevedo! Eu não, mas... são vocês que dão razão ao meu blog :)

quarta-feira, julho 20, 2005

Dia da independência...

Inspirando-me num comentário da Rititi, dado o fim de dependência dela do blogspot, eu venho aqui declarar o fim deste grilhão ridículo do blogger do google, e da sua barra de navegação! Se repararem, não a tenho! Vi-me livre! Yes! Ôba ôba! Quem quiser ficar sem essa barra ridícula, vá até ao link Como me ver livre desta trampa! e... the truth will set you free!
Feliz dia da independência para todos!

terça-feira, julho 19, 2005

PARABÉNS!



Parabéns à Rainha, nesta data querida! Muitas felicidades! Muitos anos de vida! Conta muitos, muitos, muitos e não prives ninguém da tua pessoa, nem presença que são um presente diário para cada um de nós! Um beijo ENORME!

segunda-feira, julho 18, 2005

A Rititi




Convido-vos todos a fazer uma visita a um blog "muy" "sui generis", que é o da Rititi. Está nos meus preferidos aqui do lado direito. A rapariga tem jeito para isto, e mostra um pouco da vertente feminina, que muitas por estes lados teimam em esconder. Pelo menos, fala de forma aberta e clara das coisas. Mulheres assim... precisam-se!

terça-feira, julho 05, 2005

Humanos no Coliseu



Deixo-vos com uma das fotos que eu tirei no decorrer no fantástico concerto dos Humanos no Coliseu. Ficará para a história. E esta é uma das fotos preferidas, dada a expressividade da Manuela Azevedo. Não só a expressão dela, mas também a voz. Aquela voz... nem quero comentar, para não correr o risco das palavras serem poucas para classificar tamanha divindade vocal. Para ampliar a foto, basta clicarem duas vezes. Para mais fotos (Manuela Azevedo, David Fonseca, Camané, grupo), mail-me at: andreaserenni@hotmail.com

domingo, julho 03, 2005

New Look

Este post dedica-se a apresentar publicamente a nova imagem do Ipsis Verbis, já que mantinha a mesma imagem há quase 2 anos. Espero que gostem! Comentem.