<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, maio 10, 2005

:'(

Todos nós somos humanos e erramos, isso é mais que sabido. Esse tema também já foi muito debatido. Acontece que, quando estamos numa má fase... péssima, tendemos a estar com os nervos mais à flor da pele, e a perder a capacidade de raciocínio. Não é assim sr.ª R? Não foi assim que estiveste também? E quando começaste a ficar melhor, não tinhas alguém de braços abertos para ti? Alguém que afinal entendeu o que se passou contigo e te recebeu? Pois bem, estou como tu te sentias nessa fase. Ofereceste ajuda, o que eu até aceitei, mas dado o meu estado inicial, vi na tua ajuda uma desajuda. Depois de te dizer o que disse no sábado, comecei a cair em mim, e a ver que poderiamos enfrentar as coisas juntos. E tu fazes-me um discurso de despedida, e esqueces-te por completo de como é estar num estado que tu mesma já estiveste, e sofreste bastante com isso! Na altura ofereci ajuda e tu não podias aceitar. Eu rejeitei agora a tua ajuda, ao fim de alguns tempos, por ver nela, inconscientemente da tua parte uma desajuda.
Agora que caio em mim, e peço para irmos então juntos por aí fora a enfrentar as coisas, tu... dás-me desprezo, ignoras-me e esqueces de como é estar da forma como tu estavas? Realmente... sei que fui injusto, mas tu sabes como é estar assim... e sabes que depois as pessoas caiem em si. Não entendo é porquê esta atitude. Enfim... cabe a mim respeitar, mas para finalizar fica um recado mais que sincero, agora que caí um pouco em mim: Preciso e MUITO de ti! @