<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, setembro 29, 2004

50.

E de súbito voltaste. Corres como se voasses. Há uma névoa de calor pesando sobre as coisas, mas o teu sorriso entra por dentro da névoa, estilhaça-a, arrasta o azul do céu através das ruas da cidade. És tu, sim. O teu sorriso avançando, estático, sobre o meu rosto.
Entras por dentro da minha carne, bates portas e janelas, rebentas-me com os vidros. E vejo-te lá em baixo, correndo agora através do jardim, a fita vermelha do teu cabelo iluminando o relvado verde. Haverá um cheiro a juventude, perdido nesse relvado, há sempre um cheiro que só se descobre depois na relva molhada.
"Pvt, 00:03, 28/09/2004"
A última coisa que alguém fez em vida, foi correr para os braços de quem queria, até não mais sair de lá, ficando para toda a eternidade! Essa data é a 2ª que se vê no 50., e a que afixei aqui foi a nossa 1ª! Vamos lá... criemos a 2ª data! A 2ª data simboliza o dia em que se tornaram os dois livres, e puderam ficar um com o outro para sempre. Vamos nós criar a 2ª data. O blog estará aqui prontinho para a escrever. Saberemos que o seu significado é... o resultado de uma espera, de uma luta travada, mas sobretudo, de uma vitória conquistada por DOIS! A nossa hora surge... está perto... e surge em VIDA! Depois dela, é apenas uma continuação...

45.

Eu sou a tua escolha, a vitória intermitente da tua liberdade sobre o campo magnético do teu corpo! Se quiseres vencer, sabes como o fazer, e com quem o fazer!

Variações!

«Variações é uma palavra que sugere elasticidade, liberdade. E é exactamente isso que eu sou e que faço no campo da música. Aquilo que canto é heterogéneo. Não quero enveredar por um estilo. Não sou limitado. Tenho a preocupação de fazer coisas de vários estilos». Foram estas as palavras de António Variações ao jornal "O País", sobre a forma como se caracterizava. Sempre admirei o António Variações, não pelas suas poses sensuais ou não, ou gostos sexuais. Nada disso. Mas pela forma como sempre se exibiu e deu a conhecer... como uma verdadeira variação, liberdade. Realmente, fazia jus ao nome. Não é Variado (maluco, avariado), é Variação. Ele adaptava-se a todas as formas que queria, e algumas nem ele mesmo sabia que ia tomar, mas encarava-as num plano de liberdade e aceitação tal, que sempre passou a ideia do génio que tinha, e sobretudo no início dos anos 80 (anos após o 25 de Abril), apresentar-se e dar-se ao mundo da forma que o fazia, demonstrava sobretudo coragem e liberdade, muita liberdade. Acho que se o António adoptasse o nome Liberdades, ou Elasticidade (como ele diz), não escandalizaria ninguém. Este homem esteve cá pouco tempo, falecendo em 1984, mas creio que o tempo que cá esteve viveu-o e aproveitou-o da melhor forma que conseguiu. Viveu-o com variação, elasticidade e liberdade. Esta ideia de liberdade, sempre caracterizará o António Variações. Pena que, naquela altura algumas "crises" da humanidade ainda fossem segredo, como era a SIDA.
Creio que, quem melhor que ele, para sentir na pele a sua própria música "Quando a cabeça não tem juízo/Quando te esforças mais do que é preciso/O Corpo é que paga". Foi o preço da liberdade ignorante do António. Julgo que hoje em dia já não se pode falar em liberdade ignorante, visto já conhecermos muita coisa que até há 10/20 anos eram segredo. Como tal, podemos fazer melhor que o António, e tornando a nossa estadia por cá bastante mais longa, sermos tão ou mais livres do que ele era. Podemos e temos o PODER, nós, de sermos Variações! Como remate final, tenho a dizer que a palavra Variação me define e muito. Serei eu um "Alexandre Variações"? Exceptuando questões do foro sexual, no qual sou diferente do António, e temos também traços psicológicos um pouco diferentes. É natural, as vivências são outras, e as necessidades idém.
Independentemente de qualquer coisa, fica aqui a menção ao António Variações, como sendo um exemplo a seguir (no sentido de liberdade, não de libertinagem ou liberdade ignorante, irresponsável). Deixo ainda uma frase, com a qual talvez muita gente se identifique, dita pelo mesmo e que cito, em forma de despedida deste post:
"Tudo o que acaba me deprime, mais pelo fim, do que pelo acto em si"

Força!!!

Anima-te Rainha! Anima-te Guerreira! Vai à luta! Sabes o que tens a fazer! Dei-te os motivos para lutar, e agora só te quero dar forças. Distante ou não! Vai em frente que eu acredito que sejas capaz! Luta e vence por nós! Eu faço o mesmo. Temos um objectivo. Não desistas dele. Eu jamais desisto de NÓS! Sem medo enfrenta os leões! Enfrenta tudo! Quero ver-te a vencer! Eu estou aqui à tua espera... em condições para ti. Por isso trata de lutar e vencer. Com coragem e sem medo. Tu sabes o que e como fazer. Estou à tua espera... FORÇA!

terça-feira, setembro 28, 2004

As melhoras!

As melhoras para o teu problema físico, que ainda não se sabe qual é. Vai ao médico, melhora rápido e volta... eu espero-te!!

segunda-feira, setembro 27, 2004

42.

"Porque te escolhi? Porque estaria ao teu lado em todas as ocasiões? Apenas porque ambos acreditavamos no poder transformador de cada ser humano sobre a terra. Essa escolha ética essencial empurrou-nos um para o outro."
"Mas se, sem abjurares do nosso credo fundamental, tu matasses, traísses, roubasses, eu testemunharia, de olhos lavados, a tua inocência!" Sou o teu advogado de defesa!
Custa-me que penses que não te quererei ver envelhecer, custa-me que duvides que te amaria da mesma maneira... mais ainda! Desdentada, tonta, enrugada - a minha mulher! Aquela que nascera com o grau exacto de inclinação do riso. A minha cúmplice, mesmo contra nós dois. A nenhuma outra mulher amei assim.

sábado, setembro 25, 2004

A Ascenção de um Anjo

Aquele Anjo sonhador, que nunca pensou que a verdadeira setinha do Cupido lhe atravessasse o coração e de repente "ops... afinal". Aquele que tinha medo de "AMAR", e que só estava habituado a "amar"... afinal está surpreendido. Sente tanta coisa nova, diferente e... boa! Deu cor a uma vida, deu música onde só se tocava desafinado, surgiu sem pedir permissão, e de repente conquista um coração e deixa uma mulher rendida a si! Sonha, conquista, luta, esperneia, faz seja o que for, para ver um sorriso naquela que ama. É assim, que se pode caracterizar aquele Anjo que é descrito como um Cavaleiro de Fogo, que outrora deixou a sua amada e partiu para a guerra, nunca mais voltando e deixando-a sozinha. Agora parece que o filme se repete... o Cavaleiro de Fogo parte para a guerra, para lutar pela sua Rainha, deixando-a em casa, mas o fim é diferente. Ele parte, mas desta vez volta... volta para a vir buscar. Não se deixa engolir pela guerra, nem se deixará derrotar por tudo à sua volta. Desta vez, não erra o Cavaleiro. O Anjo que é Cavaleiro, luta, tortura-se com a ausência da sua amada mas... firme continua a lutar por ele, por ela, pelos dois. Mas essa luta tem um objectivo: voltar mais firme ainda e esperar que ela crie as condições. As condições para que o fim não se repita pela segunda vez e não fiquem sós. As condições para que ele a vá buscar e possam terminar a vida juntos, a cada dia mais amados do que nunca. Desejando-se dia após dia.
Assim é a Ascenção de um Anjo. Estava morto, apagado, sem cor, sem brilho, sem som, sem nada e de repente surgiu uma causa para que ele lutasse... a sua Rainha! O teu Anjo está torturado, sofre, desespera mas... a certeza do amor que vos une, é um conforto que o ajuda a adquirir forças e a vencer. Ele vai vencer... pelos dois! A oportunidade que tanto pedem, surgirá... ele não desiste! Sabes porquê?... "Olhámo-nos um dia, e cada um de nós sonhou que achara o par que a alma e a carne lhe pedia". Ele luta! E desta vez vem buscar-te! Não te deixará sozinha!

37

Precisava de escangalhar o teu coração para o fazer encaixar no meu. Parece que foram feitos à medida, pelo menos encaixam na perfeição. Cheguei a pensar em desencaixá-lo novamente para sair deste limbo, mas nunca soube como. Nunca consegui. Sem o teu coração não consigo amar (não me abandones outra vez). Logo eu, que amava o mundo inteiro, não é? Amar em abstracto é muito mais ágil do que amar em concreto. Dava jeito amar assim. Menos risco, menos mágoa, menos tudo... até menos emoção e menos intensidade! E foi contigo que descobri que, vale a pena amar em concreto. Pela emoção, pelo risco, até pela mágoa que por vezes se sente, mas sobretudo pela intensidade que sinto contigo. Sinto o Amor, sinto-te.
Sempre me quiseste colocar entre a espada e a parede, com a expressão "O que conta para ti? Qualidade ou quantidade?". Ao qual eu sempre respondo: "Quando a qualidade é da mais alta categoria, queremos ter muita quantidade dessa qualidade". E contigo é assim. A qualidade do teu sentimento É da mais alta categoria, e sendo assim... quero a cada segundo viver o aqui e o agora. Quero repetir doses de quantidade da qualidade do teu sentimento. És tão simples e directa nos sentimentos. Dizes-te fria. Mas acho que confundes o ser-se fria com o ser-se directa. Tu enrolas pouco. Vais directa ao assunto: "Quero beijar, escuso de começar com abraços e a dar voltas à questão". Só enrolas, quando te sentes tímida e fechada. Mas... isso já não existe para os nossos lados. Mesmo assim recordo-os com saudade. Aqueles tempos em que eu tinha que quebrar as tuas regras, obrigações, para te fazer soltar.
Quis ensinar-te a voar, e para tal dei-te a lição número 1: "Sai do casúlo borboleta. Mostra as tuas belas asas. És linda! Fantástica! Fabulosa! PODEROSA!", e aos poucos acedeste; lição número 2: "Vamos começar a voar", e temos voado... quando terminaremos de voar? Quando acabar com as lições sobre liberdade e vôo? Não sei, mas a cada segundo que passa tudo muda e... vais voando mais alto, e eu vou voando contigo. Sempre ao mesmo nível. Já não é mais como antigamente, em que eu ficava cá em cima a dizer-te "anda... vem cá para cima". Agora vamos os dois ao mesmo tempo. Descobrimos os dois coisas lado a lado, e espero que este "Aqui e Agora" durem até... até que eu vá para a cova, e tu também! E que isso ainda demore algumas décadas. Temos asas bastante consistentes já. Já as fortalecemos. Temos condições para voar... só nos fica a faltar à nossa volta, as condições para o fazermos!

17.

Pensei que longe de casa dormiria melhor. Procurei o refúgio das pousadas de infância onde nunca estiveste comigo. Mas agora já não consigo estar longe de ti. Tudo está tocado por ti. Tu estás em tudo - noite negra ou inundada de dia, montes, noite minha, noite nossa, noite dos teus braços que não há.
Dizias certas coisas como se me espetasses ferros para me veres escoicinhar. Ganhaste. Viciei-me na alegria de estar contigo, inclinado sobre as tuas frases, ardendo pela primeira vez de desejo sobre o teu corpo inexistente. Ganhaste, Realeza. Aqui me tens, deslumbrado e impaciente, reconstituindo o tu que falta nas fotografias, as conversas que se calhar nunca tivemos...

sexta-feira, setembro 24, 2004

De volta!

Sim, estou de volta e com um propósito. Creio que não é muito difícil perceber que as minhas mensagens andam sempre à volta do mesmo. Ops, neste caso... andam sempre à volta da MESMA! Então, decidi começar a reforçar o meu blog com mensagens... para a MESMA, mas através do qual todos os restantes leitores/as podem retirar o que de útil pretenderem. No entanto, recomeça aqui a dosagem para fortalecer e quiçá, ajudar a ter CORAGEM! A minha "fé" é essa!
Como tal, "posto" hoje um provérbio chinês, que para não variar tem um motivo. Espero que seja fácil perceber qual...



Aquele que não sabe
e sabe que não sabe,
é humilde.
Ajuda-o.

Aquele que não sabe
e pensa que sabe,
é ignorante.
Evita-o.

Aquele que sabe
E pensa que não sabe,
está dormindo.
Desperta-o.

Aquele que sabe
e sabe que sabe,
é sábio!
Segue-o.

domingo, setembro 12, 2004

Fedorento! (Parte final)

Volto a postar sobre banalidades, e a fugir aos meus temas centrais e principais com que tenho investido fortemente neste blog. Para os interessados em conhecer o Gato Fedorento e as suas famosas rábulas, podem fazer o download de algumas delas em http://www.moonlight.pt/rnuno/Gato/ . Destas, recomendo vivamente o "O Homem que parece que aconteceu não sei o quê". Divirtam-se!

quinta-feira, setembro 02, 2004

Hum...

Tenho aproveitado estes dias para por a minha cabeça em ordem, fiz a barba, cortei o cabelo e agora parece-me que já está muito melhor, tenho até pensado comprar um chapéu. Vamos ver se muda tudo para melhor do que estava!!! Não porque estivesse mal, mas porque quanto mais temos... mais queremos ter! Logo, se eu estou bem, vou querer estar melhor.