<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sexta-feira, julho 16, 2004

Do fundo...

   Somos todos humanos, e por vezes vacilamos! Também tendemos a aprender regularmente com tudo. Porém certas coisas mantêm-se intactas. E essas coisas, são por exemplo a confiança que temos em nós e em tudo à nossa volta, e em certos factos que no futuro ocorrerão, ou no presente. Eu mantenho a minha confiança em mim, e no que digo que vai acontecer, em que o meu "sentido" me permite conhecer e dar conta do mesmo! Ainda que algumas vezes pareça que não tenha a confiança, ela está cá sempre, apenas por vezes a coloco de lado e deixo que outras coisas a ultrapassem! Mas ela mantém-se intacta, imutável, não sai. Ninguém ma tira. Se a tivesse perdido, de certas coisas já eu tinha desistido. Como não desisto, então podemos perguntar-nos sobre o que afinal aconteceu? Talvez a ocorrência de certos eventos, que nos deixam por vezes de tal forma furiosos, que nos faz esquecer por momentos que temos confiança em nós, no futuro e numa bela vida pela frente! Felizmente, isso não dura para sempre e logo, logo a confiança volta. Nada como um tempo a meditar e tudo volta como estava. É com base nisso que devemos construir o nosso futuro, a nossa vida: 1º na confiança; 2º caso ela se queira esconder por breves momentos, despertá-la com um pouco de concentração e meditação!
   Acontece que por vezes, é preciso termos paciência, pois aquela confiança que temos pode nem sempre ser vista aos olhos de mais pessoas que nos sintam! Eu sei que tenho influência espiritual sobre algumas pessoas. E sei que quando a minha confiança se esconde, essas pessoas parece verem "Deixou de confiar! Perdeu a confiança". Não! A minha confiança está cá sempre, porém aos poucos vou controlando o descontrole que surge em mim, derivado de algum momento de fúria, em que parece que realmente tudo se abalou à minha volta. Isso são coisas nada sentidas pelo meu eu. É uma situação de desespero em que cedo consigo remediar tudo e volto a obter a serenidade necessária para a minha vida e para todos aqueles que influencio.
   Abram os olhos: a confiança está cá! Intacta. Inclusivé, este tipo de acontecimentos até ajudam a solidificá-la mais, pois a minha confiança resiste a momentos de fúria, resiste a algumas fraquezas que como humano que sou, é natural que ocorram. E cada vez mais deixo de me espantar porque... apesar de tudo: a confiança ainda cá está! E cada vez mais forte! Pensa numa coisa, sinto sempre que estás comigo, e cada vez desisto menos de ti! Se já não desistia ontem, hoje desisto menos. Estou sempre aí contigo e tu comigo. E essa confiança não me abandona. Por vezes esconde-se... mas nunca me abandona! E sabes que mais? É bom estar cada vez mais confiante, conseguir dominar mais as coisas que não dominava e... é maravilhoso sentir-te comigo!

quinta-feira, julho 15, 2004

Não é errado viver de novo

Não é errado viver de novo! Errado é fingir que se vive! Como poderá ser errado descobrirmos o verdadeiro sentido da vida? Como poderá ser errado começar a viver a sério, descobrir o lado positivo da vida? Como poderemos alguma vez prescindir de tudo o que podemos ter, em prol de coisas que cada vez mais, vamos arrastando por obrigação, sem vontade, e já a pensar "tem que ser, porque alguém conta com isto" ou "tem que ser porque senão..."! Isto não é viver! Depois admiram-se que se questionam "Não sei viver". Pudera! A viver por obrigação, também eu não saberia viver. Aliás, acho que é algo tão humano dizer-se esta frase, quando se faz coisas que não nos dão prazer nenhum pela vida, que qualquer ser humano diria "Não sei viver"!
Mas, se eu mostro a solução, se eu digo "Vive assim e farás todos felizes, inclusive a ti", e não me dão ouvidos, deixam de confiar em mim, pergunto-me que mais poderei fazer? Certamente não muito mais, senão ficar no meu cantinho a torcer para que me dê ouvidos novamente, como já deu outrora!
O caminho que te indico, é o único que te fará ser feliz e fazer os outros felizes! Queres ser feliz e fazer TODOS felizes? Ok! Segue o que te digo! E não digas que não dá, porque isso é uma ideia derrotista! Dá sim, e sabes que estou do teu lado.

quarta-feira, julho 14, 2004

É triste...

É triste... mas, quando insistem em deixar de confiar, e em tomar atitudes que são tudo menos certas... e se deixam acobardar por um medo, esquecendo tudo o que foi ensinado e explicado; esquecendo tudo aquilo em que confiaram e subitamente deixaram de confiar, por motivo nenhum; esquecendo tudo o que podem adquirir de benéfico, e deixam-se vencer pelo medo e pela dúvida, aí então resta a quem está deste meu lado, continuar a lutar para abrir os olhos!
É triste, quando a teimosia em vez de uma virtude se torna num defeito! E as pessoas que começam a ver o que é BOM mesmo, de repente cegam-se sozinhas e deixam de ver a verdade, deixando-se cair no erro de ceder ao medo, cobardia e dúvida!
É triste, mas cedem perante o mais fácil que é aceitar a derrota e em vez de lutare, querem fugir, enterrar-se e dizer "ok perdi! Acabou tudo"!
É triste, mas quando dão o passo mais difícil, deviam embalar e ir em frente, para continuar a conquistar a felicidade, e de repente deixam-se cair pela fraqueza e deixam de confiar em tudo de verdade que lhes foi ensinado!
É triste, mas...
EU NÃO DESISTO! E vou eu continuar a lutar, para fazer a verdade e a felicidade virem ao de cima!

domingo, julho 11, 2004

"Periculum in mora"

Estava eu a estudar as Providências Cautelares, no âmbito da cadeira de Processo Civil, quando subitamente se fez uma luz em mim. Um dos requisitos para que seja concedida a Providência Cautelar, é a chamada "Periculum in mora", ou seja "perigo de mora". Que significa o perigo de mora? Significa que, pelo facto de um processo demorar muito tempo até obter decisão favorável, alguém pode ir perdendo benefícios, que mais tarde lhe podem ser concedidos. À possibilidade de alguém vir a obter o direito mais tarde com grande probabilidade, chama-se "fumus bona iuris", ou "fumaça de bom Direito", que significa que mais tarde ou mais cedo, alguém vai ter aquilo que pretende. Logo, se vai acabar por obter o bom efeito que pretende, porque não ser-lhe concedido já provisoriamente, se pelo facto do processo poder demorar muito, a pessoa possa perder benefícios? Nestas condições, alguém que requer uma providência cautelar, tê-la-á concedida!
Porque falo eu estas coisas todas? Porque na nossa vida, passa-se rigorosamente o mesmo! Por vezes, temos oportunidade de aproveitar certos factos presentes, só que tendemos teimosamente a ir adiando, adiando, por falta de confiança! Falta de "fumus bona iuris"! Queremos ter a certeza que realmente vamos obter os benefícios decorrentes daquele nosso acto. No entanto, quanto mais esperamos... mais aumenta o "periculum in mora"! Mais nós vamos perdendo os benefícios que podíamos ir obtendo, se requerissemos desde logo uma "Providência Cautelar" (diferente das do ramo do Direito)! Iamos antecipar o nosso direito, adquirindo todos os benefícios decorrentes do mesmo, até que quando chegar a confirmação (sentença) de termos direito ao benefício, e dos efeitos posivitos que ele nos dará, não perdemos nada, nem nos apressaremos em tentar aproveitar o que resta, ou aproveitar o tempo perdido!
Por isso, recomendo que todos venhamos ouvir os vários "juízes" que nos surgem à frente, que já avaliaram a causa, e sabem que a Providência Cautelar será concedida, pois os benefícios decorrentes daquele direito ocorrerão, e aquela pessoa terá direito a tudo isso e muito mais! Só assim, podemos evitar o velho ditado "não deixes para amanhã o que podes fazer hoje", adaptando-o para "Não aproveites amanhã, o que podes aproveitar amanhã e hoje". É a melhor forma de podermos espremer todo o sumo da laranja! De obter o máximo de tudo o que nos surge, e de evitar que haja o "periculum in mora"! Cabe ainda advertir que, este tipo de "Processo" não pode ser entregue a qualquer "juíz", sob perigo de vir a ficar viciado pelos benefícios pessoais que o mesmo possa adquirir! Convém ter plena confiança no "juíz" a quem se entrega este tipo de processos e... deixar decidir!

quinta-feira, julho 08, 2004

Para sempre...

Não, não é nenhuma despedida! O título "Para Sempre" provém da razão de ser deste post unicamente, que é a razão de ser de muita coisa! Do quê? De vir aqui explicar que, quando certas vivências mexem connosco, tornam-se inteiramente nossas e jamais as largamos, e se possível repetimo-las. Isto aplica-se também às pessoas. Por mais que muita gente pratique determinado acto errado, não quer dizer que todos sigam a regra. Por vezes existem pessoas que se fazem (ou dizem-se) ovelhas, amigas para poder colocar um pouco de dinamite entre 2 ou mais pessoas, por forma a depois deitar tudo pelos ares e colocar dúvidas, dúvidas essas que vão acabar por condicionar muita coisa entre essas pessoas. Tentam vulgarizar aquela pessoa que muito dá para demonstrar que não é vulgar, nem como a maioria é! O pior é que plantam a semente, e depois não se sabe se ela vai morrer por vir a gerar um fruto podre e falso... ou se vai germinar, contaminando tudo à volta com esse fruto falso! Isto a que propósito? Nós por vezes cumprimentamos e falamos com as pessoas, e as pessoas, só por isso já se intitulam nossas amigas, conhecedores íntimos e natos da nossa pessoa. Depois, servem-se de um ou outro facto que seja verídico, para plantar o fruto podre e esperar que pegue! O que podemos nós, que somos vítimas de tal, sem sequer saber o que se passa? Apenas tentar a cada dia provar a nossa honestidade, sinceridade e esperar a oportunidade para demonstrar tudo aquilo que garantimos que corresponde à verdade.
Este post tem a sua razão de ser, porque não faço das pessoas troféus! Não quero coleccionar pessoas amigas ou algo mais! Quero pessoas que se sintam bem comigo, e que me aceitem, para serem minhas amigas e quero uma pessoa que veja que me tem a 101% para algo mais... PESSOAL e Privado! Não sou de andar por aí a conhecer pessoas para ver com qual pega, e por mais que goste de desafios, as pessoas não o são! É um desafio para mim adquirir uma formação académica, conseguir um emprego espantoso, conseguir fazer viagens aos meus sítios de sonho, conseguir fazer 1001 coisas em um dia que aos olhos humanos aparentam ser impossíveis! Isso para mim são desafios! Fazer da conquista de uma pessoa, um desafio... é algo que não me cabe a mim como forma de vida! Sei que ao meu redor, andam milhões de pessoas a agir assim: hoje põem na cabeça que querem uma pessoa e não desistem enquanto não a conseguirem. Depois desprezam-na! Os seres humanos não são cobaias para serem feitas experiências neles, e nem tão pouco são troféus! Como me sentiria eu se alguém fizesse de mim um desafio? Uma pessoa que eu não quisesse, andasse anos para me tentar conquistar... ao fim desse tempo, conquistava-me e depois "ok, já consegui o que quis. Vai à tua vida". Eu ficaria de rastos! Não queria que tivessem pena de mim mas... que não fizessem tal coisa! Se eu penso isto relativamente à minha pessoa, como posso eu aceitar dentro de mim "coleccionar pessoas"? Não posso! Não me cabe dentro de mim como forma de vida! Sou pessoa firme, de um só pensamento... e de uma pessoa só! Quando conquistar definitivamente a pessoa que pretendo... em vez de desistir ao fim de um tempo de brincadeira, vou continuar sempre do lado dela, sempre com ela, porque é ela quem eu quero! Vejo assim as coisas, daí se calhar muita gente me ver sem alguém há sensivelmente 2 anos. Não quero coleccionar pessoas! Quero uma pessoa só para mim! Se é difícil ou não provar isso, é outra conversa! Acima de tudo tenho dentro de mim o princípio de ser de uma pessoa só, até que a vida física nos separe!
Como eu sei que a pessoa certa, virá aqui ler este post, fica o recado: o meu coração é teu, eu sou teu, e quando te tiver definitivamente, não te vou deixar por aí e partir para outro desafio! Ainda que o quisesse fazer, não conseguiria, pois já sou teu há muito tempo! E serei sempre! Não duvides! Confia em mim! É a única forma de te provar tudo isto! Não se coleccionam pessoas! Torne-se público tudo isto que digo e quem tiver provas do contrário, que as publique por forma a tornar-me mentiroso! Como certamente ninguém poderá dizer "tu só queres é o mesmo que os outros querem", ou "são todos iguais"... torno público este post, por forma a tentar dar mais um motivo de confiança à pessoa em causa que... Para sempre... serei teu! E nunca te deixarei! Estarei sempre ao teu lado!

terça-feira, julho 06, 2004

"Quem vai à frente, pode levar a gente"

"As coisas tal como elas são", foi criado há sensivelmente 1 ano! E após alguns períodos de interrupção, volta e meia venho cá blogar. Quando sinto, quando acho que vou conseguir passar alguma mensagem a alguém, quando exponho algo de mim! Há já uns dias que o sinto. Terei sido influenciado directa ou indirectamente por alguém? Não sei. É muito provável. Muita coisa me inspira, mas só alguns chamamentos me fizeram hoje estar aqui! Tento sempre expor no blog, tudo com a maior transparência e verdade, caso contrário, não teria nexo o título ser "Ipsis Verbis" ou "As coisas tal como elas são". Ou o são, ou então posso criar um blog do género "muito mentiroso", ou "ilusões", "emoções", por aí. Mas não. Faço com que tudo o que passe seja o correspondente à realidade, e se formos analisar post por post... veremos que se encontram aqui o que corresponde à realidade. Certas realidades, quem possa ler, pode achar loucura... e pensar "Como é possível?", "Este tipo sonha muito". Quem pode dizer isso são todos aqueles que não estão neste nível mais avançado em que se encontra a minha alma, e como tal, encontram-se incrédulos, face a novas experiências. Suponhamos o exemplo do Computador! Alguém diria, em inícios do século XX que no final desse mesmo século, teríamos computadores quase com a mesma facilidade com que adquirimos roupa? Toda a gente se mostraria incrédula e nem sabia sequer do que estaríamos a falar! Assim acontece com todos nós nesta vida! Passo a dar outro exemplo, que costumo dar muito a uma pessoa especial: peguemos numa criança que nunca teve contacto com água, a não ser pelo banho, claro! Nós que já sabemos nadar, dizemos "Vá. Vou atirar-te ao mar e vais ver que é mesmo bom nadar. Queres ver? Aprendes num instante". A criança apavorada, certamente vai ter medo, vai berrar, chorar, e implorar "NÃO!". E pergunto eu: porquê? Porque nunca chegou ao nível de aprender a nadar. Ainda se encontra num nível anterior, e tem medo de algo que é fácil, e nos sabe bem! Se lhe dissermos que a vamos atirar ao mar, ela diz "Enlouqueceste! Isso apavora-me! Não sei como podes dizer que é bom". Experimentemos ensiná-la a nadar! Primeiro com umas bóias, depois sem elas, e por aí adiante até que ela aprenda a nadar e o faça sozinha com toda a segurança e prazer deste mundo! Certamente, com o passar do tempo, ela própria já se aventurará sozinha no mar, a nadar sozinha e a puxar-nos para algo que nunca julgáramos nós ser possível irmos! Este exemplo para quê? Para mostrar que em tudo na vida... quem vai à frente, pode arrastar-nos também! Para o bom ou mau caminho? É fácil analisar! Como? Olhemos para a pessoa! Uma pessoa que esteja perdida, e mal, certamente é fácil de detectar. E aí perguntamos nós: bem, que pode esta pessoa dizer de bom, se ela própria se encontra mal? Agora, aquela pessoa que está bem, que transmite paz, segurança, confiança, essa sim, pode mostrar-nos como é bom dar o passo em frente, relativamente a algo que temos medo, mas que ela já enfrentou e como tal se encontra bem! Eu passo a verdade sobre o que sei! Eu passo a certeza. Mas antes de o fazer, gosto de ponderar para saber se a forma como cheguei a essa vivência, a essa experiência, será a mesma para todos! Certamente que não! Umas pessoas aprendem a nadar aos poucos numa piscina, uns sem bóias porque são mais aventureiros, outros em alto mar na companhia de alguém, outros em lagos que são calmos, e por aí adiante. Agora, eu posso transmitir a toda a gente como é bom ultrapassar certas barreiras que temos dentro de nós! Mas nem toda a gente terá perfil semelhante ao meu, para enfrentar essas mesmas barreiras da mesma forma que eu o fiz. Por isso, passo o meu método somente a quem poderá ter possibilidade de ir por esse caminho. E é o que faço. Explico da forma mais objectiva possível, as coisas tal como elas são. Pondero, medito, e depois de concluir digo "Olha, é assim, assim e assim. Vai fazer isto assim em ti, mais aquilo". A partir daí, quem quiser ouvir, vai! Mas não se pode encher de teoria! Teoria é muita, mas é a prática que nos faz ultrapassar aquela barreira, que nós julgávamos inultrapassável, pois nunca a tínhamos transposto, ou se calhar tentámos transpô-la mas com a companhia errada, com a pessoa errada, com o método errado.
Porque motivo teria eu necessidade de bater na mesma tecla constantemente? De ter toda a paciência do mundo? Porque sei que quando essa pessoa me der ouvidos, certamente vai dizer "Tu tinhas razão. Felizmente ajudaste-me a dar esse passo"! Pois bem, não quero com isto dizer que basta falar, fazer, e pronto! Tudo num abrir e fechar de olhos! Errado! É difícil! É difícil remover uma dúvida da mente de uma pessoa! Remover uma barreira! A barreira só a pessoa pode derrubar! Mais ninguém! Nem que eu gaste o meu latim todo! Não é isso que derruba! Nem tão pouco posso ou devo obrigar. Porque se obrigar, ao derrubar uma barreira, estarei a reforçar uma outra! Agora pergunto: "Então que posso eu fazer?", ao que eu respondo "Mostrar as vantagens em se dar o passo, mostrar que compensa dá-lo, estarmos confiantes, e não forçar ou pressionar nada". Quanto mais se força ou pressiona, mais soa a obrigação! Temos que ter inteligência para despertar na pessoa a vontade enorme de quebrar a barreira, ainda que julgue ser impossível. Mas só de despertarmos na pessoa essa vontade, isso já permitirá que apenas baste a nossa ajuda para a ensinar a... nadar, soltar-se, voar. É tudo o que podemos fazer. Plantar a semente, cuidar bem dela, regando-a, falando com ela, etc. E depois é esperar o fruto nascer! Se tivermos calma e perseverança... certamente aquela planta vai nascer com a força e energia que nós procurámos que ela tivesse. A planta será feliz, a pessoa que tinha medo e julgava impossível aprender a nadar, certamente o fará convicta que é a melhor experiência que pode ter, e aquela lagarta que nunca se imaginaria borboleta na vida, a voar por esse mundo fora, aprendeu aos poucos a fazê-lo, e com a sensação de libertação, despertada por quem cuidou dela, certamente se sentirá livre, ao descobrir a verdade sobre a sua natureza!
O remédio é irmos de encontro à nossa natureza, sem medo. Mas para isso precisamos de alguém do nosso lado a cuidar sempre de nós, ainda que venhamos a dar algumas quedas. Mas aquela pessoa está sempre connosco, a dar-nos força, a ajudar-nos a levantar, até que descubramos o prazer de sermos nós mesmos, de nos libertarmos e de darmos passos em frente, quebrando barreiras que jamais julgávamos ultrapassar, e que jamais imaginávamos que quando as derrubássemos, iríamos encontrar do outro lado dessa barreira um imenso campo de flores, onde em paz, poderemos ser livres e ser felizes! Confiemos pois, naqueles que nos tentam arrastar para algo positivo, para algo que nos fará bem. Aqueles que nunca desistirão na vida, e lutarão bravamente contra todas as adversidades, até verem aquela pessoa bem, feliz, e... livre! Sigamos os passos dessas pessoas, que ao longe nos mostram confiança, no-la dão, estão sempre connosco, sempre ao nosso lado, ainda que por vezes caiam. Porém, o ser humano é imperfeito. Mas pior que uma imperfeição é vermos que errámos e não corrigirmos o erro, mantendo-nos no mesmo, como se fosse o certo! Agora, aquele que aprendeu, viu que errou, e não o praticou mais, é sinal que teve humildade para se corrigir, e agora, pedir que alguém se lance na sua confiança, na verdade que é inquestionável... e se liberte, conquistando daí em diante, coisas tão boas, tão belas, que jamais julgara ser possível ter ou conquistar! CONFIA na pessoa que vai à frente, e que te quer levar para o bem, tendo essa certeza! Vê a atitude perseverante e insistente! Por algum motivo é! Se essa pessoa for de bem, sabes que te encaminhará para o bem! Se não for de bem, então certamente desistirá rapidamente de ti e procurará outra pessoa que lhe faça a vontade de forma rápida! Certamente que quem insiste tempos e tempos e tempos, tem um objectivo! Se for para realizar uma vontade própria, certamente desiste facilmente e procurará outro alvo para se realizar. E aí, nem que seja um desafio empolgante ou que dê luta, essa pessoa diz logo "Sim, espera aí que já tenho paciência para ti". Tenta uma, duas, três vezes, para não dizer que desistiu à primeira. Mas, logo desiste! Agora... aquele que insiste até conseguir fazer-nos abrir os olhos, e insiste para nos ver e fazer feliz... esse só pode ter uma excelente perspectiva de nós, e só pode ter como intenção dar-nos tudo de bom, não nos querendo prejudicar! Esse, é aquele que medita tempos e tempos para ver se é aquilo que realmente serve para nós! Essa pessoa preocupa-se connosco, está do nosso lado e podemos contar com essa pessoa! Essa pessoa não desiste enquanto não quebrarmos a barreira... enquanto não virmos a luz diante dos olhos! Enquanto não partirmos tudo à nossa frente e virmos que podemos conquistar um belíssimo campo onde poderemos ser livres eternamente! Essa... é a pessoa que nos quer bem, está um passo à frente de nós e diz com toda a segurança "Podes vir. É seguro!". Dê-mos ouvidos e libertemo-nos!!

"Ainda que optes por Tróia, ir-te-ei buscar... ******"