<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, abril 25, 2004

Liberdade

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não fazer !
Ler é maçada,
Estudar é nada.
Sol doira
Sem literatura
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como o tempo não tem pressa...
Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quanto há bruma,
Esperar por D.Sebastião,
Quer venha ou não !

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

Mais que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...



Fernando Pessoa, Liberdade

quinta-feira, abril 08, 2004

O rico que mendiga

Certamente, já muita gente ouviu falar na história do Rico e do mendigo que a Bíblia relata no livro de Lucas, capítulo 16, versículos 19 a 31. Porém, passo a explicar: havia um "homem rico que se vestia de púrpura e de linho finíssimo e que todos os dias, se regalava esplendidamente. Havia também certo mendigo, chamado Lázaro, coberto de chagas, que jazia à porta daquele; e desejava alimentar-se das migalhas que caíam da mesa do rico; e até os cães vinham lamber-lhe as úlceras. Aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico e foi sepultado. No inferno, estando em tormentos, levantou os olhos e viu ao longe a Abraão e Lázaro no seu seio. Então, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim| E manda a Lázaro que molhe em água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama. Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro igualmente, os males; agora, porém, aqui, ele está consolado; tu em tormentos"... a história continua, e quem tiver interesse poderá acompanhá-la através dos artigos (versículos) supracitados. Onde quero chegar com esta história e com o título deste post? O homem rico tinha tudo, mas ao morrer, de nada lhe valia tudo o que tinha... pois isso não lhe dava um mínimo de consolo. E o seu desespero era tanto que, no meio de tanto tormento e aflição... só de sentir uma gota de água na ponta da sua língua, já lhe trazia conforto. Dá para imaginar o desespero do homem.
Assim também me encontro eu... posso ter tudo. 1001 coisas. Mas... só te peço... sim, a ti mesma... que molhes em água a ponta do teu dedo e me refresques a língua... basta só sentir um pouquinho de ti, que sempre senti... e já me sinto consolado no meio de tanto tormento e vazio que tenho sentido. Sou um rico... que tudo tem (pelo menos o suficiente para estar bem), mas que mendiga e muito... por uma gotinha do teu amor! E, como não morri, ainda não é definitivo que tenha perdido a tua pessoa, por isso, enquanto estamos neste mundo, refresca-me a língua e eu refresco-te o ser... e diminui o tormento.

Boa Sorte!

Acho bom, que todos tenhamos os nossos objectivos de vida, os nossos ideais, e que isso nos ajude a crescer e fortalecer como pessoas... e é com base nisso, que dedico este post a alguém, que apesar de ter a perfeita consciência do mal que está a fazer... e da crueldade com que está a agir, não me impede de a continuar a querer, e de me "atormentar" a mim mesmo mentalmente 25 horas por dia, à procura de alguma forma de a ter por perto... para sempre. O pior é que não consigo ter tudo ao meu alcance, nem o Divino Poder de tornar as coisas como quero... Subitamente lembrei-me do filme Bruce Todo Poderoso. Custaria assim tanto, ter o poder que ele tinha, por uns segundos, só para poder fazer alguns milagres numa mente humana como a dela? Vá lá... quebra o gelo!
Bem, não foi por isso que decidi blogar agora... foi mesmo porque quero por este post, dar força a essa pessoa no cumprimento de um objectivo que pretende alcançar em breve. É bom que tenhamos algo em que crêr e que nos motive a crescer interiormente. Espero que consigas "sobreviver" a essa peregrinação e que te consigas testar em muita coisa, e sobretudo que isso te ajude a clarificar muita coisa. Estou MESMO a torcer por ti, e a torcer para que te traga muita coisa boa na tua vida. Tem muita força, estarei sempre contigo. Independentemente dos efeitos que me possam causar a mim, espero que te tragam a ti... efeitos bem positivos. Torço por ti, porque... quero-te bem e feliz! Muita força e que alcances os teus objectivos. Mostra que és FORTE!

terça-feira, abril 06, 2004

Pois é...

"Acreditar em algo que não se vive, é ser desonesto". Eu sou honesto, e sou-o de forma bem natural. E você?

Será?

Será que quando se quer o bem de uma pessoa, se faz essa pessoa sofrer? Uma coisa é inconsciente e impulsivamente, sem dar conta, outra... é sabendo que se está a magoar e ferir e manter-se nisso. Das duas uma, ou se gosta de fazer sofrer os outros, ou então não se sente pela pessoa um mínimo de respeito que seja, quanto mais amizade, amor, etc. Poderá haver uma 3ª via... a via neutra, a das dúvidas. Mas isso é outra questão. Já dizia o "outro" que, é nas coisas mais simples da vida, que nos chegam as melhores mensagens. E como é verdade. Enviei ontem um daqueles mails, para alguns amigos, daqueles que fala que a amizade é importante, para enviarmos para o maior número de amigos, etc. E um amigo ripostou-me o mail às 3 e picos da manhã. E com uma mensagem simples, conseguiu mais uma vez fazer-me ver o "lógico". Se os amigos são para as ocasiões é quando estamos na... "lama" que vemos quem é quem. Ou nos estica a mão e nos ajuda a sair dela, ou nada faz e mantém-se como se nada se passasse, ou pisa-nos mais lá para baixo e atira-nos pedras. Não creio que nenhum dos últimos 2 seja "amigo". Só se for amigo da onça! Porque nosso não é! E realmente, ele com uma mensagem simples, fez-me ligar esta expressão a muitos factos da vida. É assim, amigos... na altura certa, quando precisamos de ver alguma coisa, mesmo o mais insólito, ou o inimaginável acaba por acontecer, nem que seja para nos apercebermos de coisas... simples, mas que naquela altura tanto nos fazem falta perceber que é aquilo que precisamos para que se faça luz sobre nós.

segunda-feira, abril 05, 2004

Esta é para ti... SIM... para ti mesmA!

Apesar de tudo o que foi feito... fica a letra de uma música que em tudo se assemelha com o estado como as coisas ficaram, em grande parte pelo que fiz...

"Ela saiu, não sorriu, mal me olhou, mas deixou ficar
O nosso amor pelo chão para eu arrumar
Deixou a dor a correr e a saudade na nossa mesa
Deixou o amor por fazer e a tristeza no ar"

Quanto mais a oiço, mais vejo quanto te magoei, e mais peço que "não saias"! Que fiques!
Não merecemos nós uma oportunidade? Rende-te lá à "droga"!!

:(

Porque sinto que... perco tudo de mais precioso que tenho? Será pela distância? Será que afinal estou a sentir que perco, quando tenho, mas não há possibilidade de ter melhor? Alguém me ajude, porque estou aqui estou no Júlio de Matos!!!!

Ai se o arrependimento matasse...

Onde é que eu não estava? Se por cada vez que me sinto microscópico, graças a este sentimento de culpa que me preenche e me vaza, eu levasse uma chibatada... já estava pior que Jesus Cristo! Já nem carne nos olhos tinha! Porém, valha-me uma coisa de orgulho... nunca caio 2 vezes no mesmo erro. Seriam tudo chibatadas por erros diferentes... motivos diferentes. Quando me arrependo, arrependo a sério. Sou tão forte, que apesar de ser humano e errar, nunca caio no mesmo erro "twice". "Se caíres uma vez, é humano. Se caíres duas, é burrice". Eis o meu lema. Quem sabe nunca esquece... e quem aprende idém! Ninguém está velho para aprender algumas coisas básicas... pelo contrário... espero ter sempre abertura de espírito necessária para conseguir extrair o necessário de cada coisa nova que aprenda. Sobretudo das simples, que por vezes são as que nos ensinam mais! Continuo aqui. Agora, mais forte, mais objectivo, e melhor que nunca!

Liberdade... parte 500!

Após, um período demasiado conturbado, comecei finalmente a assentar ideias em mim, e a propôr objectivos a mim mesmo. Enquanto estou neste moroso processo, vou tentando alcançar os objectivos já estipulados. Este é um deles. Retomar o meu blog. Com ou sem motivos para. A confusão que andava pela minha mente era tanta, que estoirei. Dei o berro. Mas voltei à carga. Depois de ter aprendido algumas lições, e de ter ligado alguns elos, que até hoje não conseguira unir! Ajudou-me a fortalecer! E blogar, expôr mais de mim, dar mais de mim, é uma das metas a alcançar! Doa a quem doer, goste quem gostar!
Finalmente me sinto livre a 101%. Sentia-me apenas 99%. E acredite-se que esta diferença de 2% é mais sentida do que se fosse 50% livre e agora fosse 75%. Porquê? Porque... nada como nos sentirmos inteiramente livres. Eu já era livre... bastante... mesmo bastante, mas após uns acontecimentos recentes, comecei SIM, a ser mais que inteiramente livre! E nada melhor que isso. Se ser-se 99% livre já era óptimo... ser-se 101% é bestial. É uma sensação de voar livremente, sem ter que passar de cabeça baixa com vergonha ou medo de algo. Agora acabaram-se as vergonhas. É tão bom, mesmo tão bom, ser-se livre! Agora sim, tenho moral para passar liberdade. Para dar liberdade. Para dar... TUDO! Já falei tanto em liberdade e mesmo assim, não me canso de criar mais um post, se calhar por agora sentir mais ainda do que aquilo que sentia...
Mas ao mesmo tempo sinto um vazio tão grande... Porque por mais que tenha aprendido, sinto-me a perder "bocados" de mim, como sinal de tudo o que fiz de errado. Nunca matei, roubei, etc... mas cometi outros mini-pecados. Acho que como humano que sou, tenho que os cometer. Mas pior do que cometer pecados é viver neles. E pior que viver neles, é fugir dos mesmos, sem os enfrentar ou sem aprender nada com eles. Fazendo um zapping pela minha TV neste sábado... fui dar ao Disney Channel e dei com o Rei Leão. Um filme que já vi, mas nunca me canso de o ver mais uma vez. E apanhei-o a meio, quase no final, numa parte que, de repente fez um pouco de luz em mim... quando aquele macaco estranho abordou o Simba, estando este já adulto, e lhe deu uma cacetada com a bengala. O Simba reclamou "porque fizeste isso?". Ao que o macaco tentou dar outra cacetada com a bengala, mas o Simba fugiu, e o "agressor" respondeu: "Vês? Aprendeste com o passado. Primeiro agredi-te. E tu podias ter fugido por te ter agredido, mas não. Quando te tentei agredir uma segunda vez, provaste que melhor que fugir, foi teres aprendido com o passado. Pois não deixaste que te atingisse, desviaste-te! Aprende com os teus erros, e não fujas do passado. Aprende com ele". Nunca pensei que uma mensagem destas me tocasse tanto. Mas tocou. Apesar do sentimento de culpa que me preenche neste momento e do vazio por ter perdido muito (sinto-o), não deixo de aprender constantemente com os erros. E recuso-me a fugir deles. Esse é o caminho fácil, que "a posteriori" nos leva a cair num vazio maior ainda, que este que sentimos quando nos arrependemos e aprendemos algo. Não fujo! Enfrento! E aprendo. Porém, também sou humano... e nenhum ceguinho gosta que lhe batam. Uma vez, ou duas, tudo bem. Mas também, não crucifiquem o ceguinho! Sobretudo se já pediu perdão... e já aprendeu! Existe uma confusão tremenda que as pessoas costumam fazer, entre arrependimento e remorço. Quem se arrepende, aprende com o erro e não volta a praticar. Quem tem remorços... mais tarde ou mais cedo bate na mesma tecla e volta a pedir perdão. E por aí vai... até que se arrependa, ou talvez não! Custará muito ter uma oportunidade para demonstrar o quanto aprendemos? E o quanto nos arrependemos? Será preciso bater mais? Já estou todo negro!!!! Agora, se cair no mesmo erro... aí podem trazer as chibatas, as pedras... e façam o que quiserem. Mas agora... é impossível não ter aprendido! Agora que aprendi, me arrependi, e que quero fazer TUDO bem... da forma correcta, é que cai tudo por água abaixo? Tirem-me o que quiserem, mas não me tirem o que mais precioso tenho! Não me tirem a minha sinceridade... nem a minha liberdade! PLEASE! Agora que aumentou o meu potencial... agora que me sinto um diamante mais lapidado do que era... é que vou para um canto? Agora é que vou ser substituído? Nem coloco essa possibilidade!

domingo, abril 04, 2004

I'm Back!

Sim, é isso mesmo, estou de volta! Não posso destruir o que construí!

Em breve, muito em breve, atacarei em força, novamente!