<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5636482\x26blogName\x3dAs+Coisas+Tal+Como+S%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ipsisverbis.blogspot.com/\x26vt\x3d-1470493087469466946', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sexta-feira, novembro 21, 2003

Teimosias (parte 2)

Após alguns dias de interrupção, volto a bloggar. Mais uma vez para falar das nossas teimosias. Existe um ditado que é "pau que nasce torto, tarde ou nunca se endireita". E realmente é verdade. Tal como o bambu seco que nunca se dobra, mas parte-se, assim também a nossa alma, a nossa natureza, e o nosso coração. Vou aproveitar para contar mais uma história que uma vez me contaram um dia, para poder dividi-la com todos os que acompanham, e até para mim mesmo, visto este blog fazer eternamente parte de mim. Ora rezava a história que um homem havia pintado um lindo quadro e, no dia de apresentá-lo ao público, convidou toda a gente para que o pudesse ver. A esse local compareceram autoridades locais, fotógrafos, jornalistas, entre outras celebridades, pois este pintor era realmente um artista. Ao chegar a altura de apresentar o quadro, tiraram o pano que tapava o quadro. Foi continuamente aplaudido o quadro. Era a figura de um homem a bater à porta de uma casa. A pintura estava realmente espectacular. As mãos desse homem pareciam bater suavemente, e os ouvidos do mesmo, pareciam querer ouvir se lá dentro alguém lhe respondia. Várias pessoas se pronunciaram e elogiaram o quadro. No entanto, um observador com olhar mais crítico e atencioso, encontrou uma falha no quadro: a porta não tinha fechadura. E pergunta ao artista: "Desculpe lá, mas... o seu quadro tem um defeito. A porta que pintou, não tem fechadura. Como é que se poderá abri-la?" Ao que o artista respondeu: "É assim mesmo. Esta é a porta do coração humano: só a pode abrir quem está dentro da casa".
Não é assim mesmo o nosso coração? Por mais que nos batam teimosamente à porta, e tentem entrar para dentro de casa, quer para nos trazer um presente e, consequentemente, iluminar a nossa casa, quer para nos trazer infortúnios e desgraças, só nós é que temos o poder de a abrir. Ou a abrimos e deixamos a VIDA entrar, ou então teimosamente fechamo-la. Medo? Talvez. Precaução? Quem sabe... Bem, não vou concluir mais do que esta pequena nota pós-história, pois vou deixar ao critério de cada um, tirar as conclusões e debruçar-se sobre este tema... por vezes demasiado retórico, que é o coração humano e as consequências que acaba por nos trazer.

segunda-feira, novembro 10, 2003

Teimosias...

Nós somos, de facto, seres muito teimosos. Mas por vezes, pelo nosso orgulho e teimosia, perdemos tremendas oportunidades de sermos felizes. A nossa alma expõe-nos o caminho certo, a forma correcta de procedimento, e nós, agindo em teimosia (muitas vezes chamamos ignorância, ou inocência, mas não é), negamos a nossa felicidade, e também dos que estão à nossa volta. Uma vez ouvi uma história, à qual posso aplicar neste caso e perceberão porquê. Ora, dizia assim uma Professora, aos alunos "Pessoal, a nossa escola vai montar barracas na próxima festa, e para isso precisaremos de bambus. Só que não podem ser secos. Conseguem dizer-me porquê?" Ao que alguém respondeu: "Eu sei! É porque o bambu seco não enverga. Ele parte-se, mas não enverga". Refiro esta história, porque muitas vezes nós somos como o Bambu seco, perante a nossa alma. Ou seja, partimo-nos por completo e batemos com a cabeça na parede. Só assim aprendemos. Quando a nossa alma nos tenta moldar, mediante a nossa natureza, nós dizemos "NÃO" e fazemos à nossa maneira. Somos imutáveis e teimosos. Partimo-nos e começamos novamente. E às tantas cansamo-nos de recomeçar, perdemos a esperança de muita coisa. É por isso que muitas vezes sem darmos conta nos questionamos "Mas porquê isto comigo?". Eis a resposta: Enquanto a nossa alma, tenta purificar-nos, a dirigiir-nos, nós achamo-nos autosuficientes e pseudo-eficientes. No entanto, apesar de o sermos, somos da forma errada. E como tal, não nos deixamos embalar no doce sabor que é a vida, e cada vez mais nos interrogamos porque somos assim, ou porque estamos assim. Bem diz o ditado "Cada um tem o que merece", e a justiça é "dar a cada um o que lhe pertence". Não nos podemos queixar. Afinal, a vida não é injusta. Nós é que colocamos as culpas em quem não a tem. A nossa alma dá-nos todas as oportunidades. Dá-nos tudo. Mas nós, por cobardia ou orgulho não deixamos que ela nos molde e nos faça sentir felizes e viver felizes. O conceito de felicidade não é assim tão subjectivo, como as pessoas dizem por aí. Ser-se feliz é sentir-se realizado, pleno, alegre. Sentirmo-nos CHEIOS! Cheios de nós mesmos. Plenos. E não vazios, frustrados, etc! É nisto que consiste a Felicidade. E é esta realização total que a nossa alma nos quer dar, basta que lhe demos ouvidos. Por mais absurdo que pareça, e por mais impossível que seja certa atitude... se a nossa alma no-la dá, há que aceder. O resto? A justiça encarrega-se do resto. A vida não é injusta! Nós é que somos!

"Se a Lua estiver contigo, não te preocupes com as estrelas"

"O coração mais terno tem as suas asperezas"


"A dúvida é o preço que pagamos pela pureza, e é inútil ter certeza!" Jean Paul Sartre

domingo, novembro 09, 2003

"Um pouco em cima de outro pouco fazem o mar"

"Quem te trate como a si mesmo não é injusto"


"É, realmente, um grande aborrecimento o facto de a sabedoria só poder ser adquirida através de trabalho árduo" Somerset Maugham

sábado, novembro 08, 2003

Post do dia

"A alma não deixa de fazer projectos enquanto não toca no túmulo"

"O coração vê antes dos olhos"

"Muitas pessoas procuram aquilo que não possuem e são, assim, escravizadas pelas próprias coisas que querem adquirir" Anwar El-Sadat

sexta-feira, novembro 07, 2003

6ª feira

"Nem sequer os cinco dedos da nossa mão são iguais"

"Pelo esterco reconhecerás o camelo"


"Nada passa mais despercebido do que os anos" Ovídio

quinta-feira, novembro 06, 2003

Post diário

"O cântaro que tem duas asas pode ser levado por dois"

"O sarçal no meio do campo julga ser uma vinha"


"Toma conta dos minutos, que as horas tomarão conta de si próprias" G. K. Chesterton

quarta-feira, novembro 05, 2003

Para reflexão...

"Saímos hoje do ovo, e amanhã sentimos vergonha da nossa casca"

"Nenhum excesso de precauções torce a vontade do destino"


"A coisa mais difícil da vida é conhecermo-nos a nós próprios" Tales de Mileto

terça-feira, novembro 04, 2003

3ª feira com direito a Provérbios e a Frase!

"Não adornes o teu exterior, a fim de que o teu interior pareça luminoso"

"Aperta a mão, mas antes conta os dedos"


"No mundo existe suficiente riqueza para a necessidade do homem, mas não chega para a sua ambição" Mohandas Ganghi

segunda-feira, novembro 03, 2003

Post do dia

"Armazena a água enquanto chove"

"Fazendo o bem, encontrareis o mal"


"O homem sofre tão terrivelmente no mundo, que se viu obrigado a inventar o riso" F. Nietzsche

domingo, novembro 02, 2003

Provérbios Árabes e Frases Célebres

"Amar quem não nos ama, é cansar o coração"

"A Glória do Amante, é a pessoa amada"


"A vaidade prega partidas terríveis à nossa memória" Joseph Conrad

Novidades!

A partir de hoje, farei publicar diariamente no meu blog, uma constante série de provérbios árabes. Todos eles, serão retirados de pequenos livros que tenho, de sites, entre outros, com esses mesmos provérbios. Serão 2 por dia, para cada um de nós reflectir, e aprender um pouco com a rica cultura árabe. Não, não sou muçulmano, nem judeu, nem católico, nem oriental. Apenas gosto de aproveitar um pouquinho de cada coisa, por forma a me poder enriquecer mais e a poder ter mais para dar a cada pessoa que diariamente contacta comigo. Opinem sobre os provérbios, mas acima de tudo reflictam e aprendam. Juntamente com os mesmos, farei adicionar uma frase célebre, juntamente com o seu autor.